Brasília Flávio Bolsonaro diz que gasto com cartão corporativo serve para 'garantir segurança' do presidente

Flávio Bolsonaro diz que gasto com cartão corporativo serve para 'garantir segurança' do presidente

Denúncias apontam despesas de R$ 30 milhões desde 2019, mais do que total utilizado por Dilma e Temer entre 2014 e 2018

  • Brasília | Plínio Aguiar, do R7, em Brasília

O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ)

O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ)

Adriano Machado/ REUTERS 27.04.2021

O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) afirmou, nesta quarta-feira (18), que os gastos com o cartão corporativo presidencial servem para "garantir a segurança" de Jair Bolsonaro. Denúncias afirmam que as despesas do chefe do Executivo somam aproximadamente R$ 30 milhões.

"Bolsonaro usa o cartão corporativo para, principalmente, garantir a sua segurança. Um ex-militante do PSOL tentou assassiná-lo, o que eleva seu grau de risco de morte, pois a chance de ele ser vítima novamente do ódio da esquerda é gigante", escreveu o senador nas redes sociais. No Twitter, a hashtag "Jair Gasta, o Brasil Paga" era uma das mais comentadas nesta quarta-feira (18).

Em fevereiro, Bolsonaro rebateu as críticas que tem sofrido por ter feito mais gastos nos cartões corporativos do governo federal do que os ex-presidentes Dilma Rousseff e Michel Temer. Ele disse que usou mais dinheiro público do que os antecessores porque inaugurou mais obras no país. "Não tem exagero, pois, se tivesse, já tinham pego", declarou.

Os gastos com os cartões corporativos são alvo de uma investigação do TCU (Tribunal de Contas da União). A decisão de instaurar um inquérito foi tomada após denúncias de que o chefe do Executivo teria gastado, desde 2019, aproximadamente R$ 30 milhões com o benefício.

De acordo com a denúncia, o valor utilizado por Bolsonaro com cartões corporativos ao longo da sua gestão já é superior em 19% ao montante usufruído pelos ex-presidentes Dilma Rousseff e Michel Temer entre 2014 e 2018.

A reportagem acionou o gabinete do senador e aguarda retorno. O espaço está aberto para manifestação.

Últimas