Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

GDF quer entregar 400 moradias para pessoas com deficiência em 2025

Habitações serão adaptadas de acordo com necessidade dos moradores, investimento é de aproximadamente R$ 90 milhões

Brasília|Edis Henrique Peres, do R7, em Brasília


Cadeirante, pessoa com deficiência, PCD, Distrito Federal
Moradias começam a ser entregue no 1º semestre de 2025 Marcelo Camargo/Agência Brasil -

O Governo do Distrito Federal pretende entregar no ano que vem 400 moradias para pessoas com deficiência. O projeto será construído na QNR 6 de Ceilândia, em um empreendimento que conta com 4 mil unidades habitacionais. As moradias serão entregues para as pessoas em maior vulnerabilidade social e 400 delas adaptadas para pessoas com alguma deficiência. Em entrevista exclusiva ao R7, o diretor-presidente da Codhab (Companhia de Desenvolvimento Habitacional do DF), Marcelo Fagundes, explicou que o projeto está em fase de obtenção das licenças ambientais com o Ibram (Instituto Brasília Ambiental).

Veja Mais

“O objetivo é conseguir a aprovação do órgão e em setembro lançar o empreendimento”, afirmou. “As entidades que estão participando do processo já tem cerca de 200 PcDs cadastrados que serão sugeridos para nós, além disso, temos a lista da própria Codhab, que vai selecionar outra parcela dos moradores que poderão ser beneficiados. A expectativa é começarmos a entregar os primeiros lotes urbanizados ainda no primeiro semestre do ano que vem”, detalhou Fagundes.

O diretor da Codhab acrescenta que o objetivo é que cada moradia atenda as necessidades dos moradores. “A construção vai ser feita com base nas normas da legislação vigente. Porque cada um tem uma necessidade, o autista tem uma, o cadeirante ou pessoa com mobilidade reduzida demanda de outras adaptações, e assim sucessivamente”, esclarece.

Inclusão

Fagundes acrescenta que a Codhab está trabalhando para não setorizar o condomínio. “Não queremos criar guetos, de quadras destinadas apenas para PcDs, mas sim integralizar todos os moradores, todo o bairro. Por isso, a acessibilidade não se restringe a casa do beneficiário, mas todos os arredores, com calçadas, tamanho de porta, iluminação públicas e todas as demandas necessárias para atender ao público PcD ou não”, disse.

Na construção das 400 moradias, o investimento aproximado será de R$ 90 milhões, segundo Fagundes. “É um momento de muita expectativa para todos nós, um marco histórico para o DF, e temos certeza que devido a sua importância social, o projeto será replicado em outros empreendimentos para atender a população”, assegurou.


Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.