Brasília Governo envia Força Nacional a terra indígena tomada por garimpo

Governo envia Força Nacional a terra indígena tomada por garimpo

Etnia nhambiquara, em Mato Grosso, sofre com a pressão de garimpeiros ilegais na Terra Indígena Sararé há 30 anos

  • Brasília | Hellen Leite, do R7, em Brasília

Polícia Federal deflagra Operação Alfeu para combater garimpo ilegal em terra indígena, em maio de 2020

Polícia Federal deflagra Operação Alfeu para combater garimpo ilegal em terra indígena, em maio de 2020

Polícia Federal/Divulgação

O Ministério da Justiça se decidiu pelo envio da Força Nacional a Terra Indígena Sararé, em Mato Grosso. O povo indígena nhambiquara vive em uma área de pouco mais de 67 mil hectares na região de Pontes e Lacerda, perto da fronteira entre o Brasil e a Bolívia, a 443 km de Cuiabá.

A autorização para o uso da força de segurança na região foi publicada nesta segunda-feira (6) no Diário Oficial da União.

Um dos problemas enfrentados pelos nhambiquaras é a ameaça de garimpeiros, segundo a PF (Polícia Federal). Em outubro, agentes policiais realizaram a terceira fase da Operação Alfeu, de repressão contra o desmatamento na região.

Em setembro, a PF apreendeu seis escavadeiras em garimpos ilegais denominados “Babalu” e Cooper Pontes, equipamentos avaliados no valor total de R$ 3,5 milhões. Os garimpeiros foram flagrados por meio de imagens de satélites degradando a área indígena, mesmo após ações anteriores dos agentes de fiscalização.

Segundo o Ministério da Justiça, a Força Nacional deve atuar na terra indígena para a “preservação da ordem pública” e da “incolumidade das pessoas e do patrimônio”. As atividades estão autorizadas para começar nesta segunda-feira (6) e vão até o dia 26 de abril de 2022. No entanto, o ministério afirma que o prazo poderá ser prorrogado, caso seja necessário para manter a ordem pública.

A ação de garimpeiros é registrada no local desde a década de 90, quando a área indígena foi invadida por aproximadamente oito mil garimpeiros em dez pontos de exploração ilegal de ouro.

Últimas