Brasília Indiciado por armazenar material de pedofilia, servidor do Senado recebe R$ 21 mil de salário mesmo afastado

Indiciado por armazenar material de pedofilia, servidor do Senado recebe R$ 21 mil de salário mesmo afastado

Técnico legislativo do Senado foi afastado por 60 dias ao ser preso em flagrante armazenando conteúdo de pornografia infantil

  • Brasília | Hellen Leite, do R7, em Brasília

Polícia encontrou material relacionado a estupro de crianças e adolescentes com o servidor

Polícia encontrou material relacionado a estupro de crianças e adolescentes com o servidor

PCDF/Divulgação

Mesmo indiciado por armazenar conteúdo de pornografia infantil, um servidor do Senado recebeu normalmente o salário de R$ 21.203,62 no mês de fevereiro. Ele também embolsou os R$ 982,28 do vale-alimentação pago aos servidores da Casa. O técnico legislativo foi preso em 26 de janeiro na Operação Downloader, de combate à divulgação de imagens e vídeos de exploração sexual de crianças e adolescentes na internet.

Na casa dele, no Riacho Fundo II, os policiais encontraram mais de 2.000 arquivos relacionados a pedofilia armazenados em um notebook e no celular do servidor público. De acordo com a Polícia Civil, os arquivos de fotos e vídeos continham imagens de incitação ao sexo e estupro de crianças e adolescentes. Ele admitiu aos investigadores que baixava os materiais havia pelo menos dois anos.

Leia também: Padre abusava de coroinhas dentro de igreja no DF, detalham vítimas

Preso em flagrante, ele pagou fiança de R$ 15 mil e foi liberado para responder ao processo em liberdade. O inquérito que apura os crimes foi concluído pela Polícia Civil e encaminhado ao Ministério Público. 

O homem tem 31 anos e é servidor do Senado desde 2014. Na Casa, ele ocupa o cargo de técnico legislativo especializado em administração. Após a operação policial, também foi aberto um processo administrativo contra ele que o afastou das atividades até 22 de abril de 2022, sem prejuízo financeiro. De acordo com o Senado, ele também tem férias previstas de 23 de abril a 5 de maio.

O Código Penal prevê que servidores condenados com pena em regime fechado superior a quatro anos de prisão sejam automaticamente punidos com a perda do cargo. O R7 procurou o Senado na manhã desta terça-feira (15), mas a casa não entrou em detalhes sobre a investigação. A defesa do servidor também não foi localizada pela reportagem. O espaço segue aberto para manifestações.

Operação Downloader

O servidor foi preso no âmbito da Operação Downloader 2, deflagrada pela Polícia Civil do Distrito Federal em 26 de janeiro. O mandado de busca e apreensão, expedido pela Justiça do DF, foi cumprido na casa do indiciado, no Riacho Fundo II. 

Os eletrônicos, um celular e um notebook, foram apreendidos para perícia. Se condenado pelo armazenamento do conteúdo, ele poderá cumprir quatro anos de prisão. Peritos da Polícia Civil ainda trabalham no laudo, que deve apontar se o conteúdo também foi compartilhado. Nesse caso, a punição será agravada se ficar comprovado que o servidor distribuía as imagens. Cada compartilhamento pode somar mais seis anos à pena. Assim, o técnico poderá perder o cargo de servidor público.

O caso foi investigado pela Delegacia Especial de Repressão aos Crimes Cibernéticos e contou com o apoio do Instituto de Criminalística e da Divisão de Inteligência Policial da Polícia Civil do DF.

Últimas