Brasília Lula conversa sobre caças da FAB com primeiro-ministro da Suécia

Lula conversa sobre caças da FAB com primeiro-ministro da Suécia

Presidente convidou o líder sueco a visitar o Brasil; reunião ocorreu em paralelo à cúpula entre países latino-americanos e europeus

  • Brasília | Bruna Lima, do R7, em Brasília

Lula tratou dos caças Gripen com primeiro-ministro

Lula tratou dos caças Gripen com primeiro-ministro

Ricardo Stuckert/Divulgação

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se encontrou nesta terça-feira (18) com o primeiro-ministro da Suécia, Ulf Kristersson, em Bruxelas, na Bélgica. A reunião ocorreu paralelamente à cúpula entre a Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e a União Europeia. Além de discutirem as relações bilaterais, os líderes conversaram sobre o programa de caças Gripen, contrato firmado para a produção de 36 aeronaves que envolve as empresas Embraer e a sueca Saab.

O programa começou em 2014 e custou aproximadamente R$ 20 bilhões ao país para substituir a frota da Força Aérea Brasileira (FAB). Os primeiros quatro caças foram entregues em 2022 e operam na base de Anápolis, em Goiás.

"A produção também impacta a indústria de defesa nacional, envolvida no processo de desenvolvimento de estruturas, sistemas aviônicos, produção, ensaios em voo e capacitação para apoiar, manter e modernizar essa frota pelas próximas décadas", detalha o governo federal. 

Compartilhe esta notícia no WhatsApp
Compartilhe esta notícia no Telegram

Em maio, Lula inaugurou uma linha de produção do Gripen em uma fábrica da Embraer em Gavião Peixoto (SP). A previsão é de entrega de todos os caças até 2027. Além das aeronaves, o processo de renovação da infraestrutura das Forças Armadas do Brasil conta com o projeto do submarino nuclear brasileiro, no Rio de Janeiro, e com o projeto do blindado Guarani.

Encontro em Bruxelas

Além de convidar o primeiro-ministro sueco para visitar o Brasil, Lula chamou o chanceler da Áustria, Karl Nehammer, para vir ao país. Os dois também tiveram um encontro em Bruxelas e conversaram sobre as relações bilaterais. 

Nesta terça-feira (18), também foi a primeira vez que o presidente se reuniu com a primeira-ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen. O convite para vir ao Brasil também foi feito a ela. Segundo o governo, durante a conversa sobre meio ambiente e combate à desigualdade, Frederiksen anunciou a intenção de aprovar uma contribuição para o Fundo Amazônia do Orçamento dinamarquês.

Além desses encontros, Lula se reuniu com o chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, que convidou o brasileiro para a segunda Reunião de Consultas Intergovernamentais de Alto Nível, em Berlim (Alemanha).

"O encontro, que contará com representantes de vários ministérios, está previsto para o dia 4 de dezembro de 2023, no retorno da viagem do presidente Lula aos Emirados Árabes Unidos — onde participa da COP 28, que ocorre a partir de 30 de novembro, em Dubai. A reunião na Alemanha será realizada sete anos após o primeiro encontro, sucedido em agosto de 2015, em Brasília (DF), com a participação da então chanceler Angela Merkel", disse o Planalto.

Na manhã desta terça, Lula participou, ainda, de um café da manhã com diversas lideranças de governos, partidos e movimentos progressistas da América Latina, do Caribe e da Europa. Além do petista, participaram do encontro os presidentes Alberto Fernández (Argentina), Gabriel Boric (Chile) e Gustavo Petro (Colômbia), o primeiro-ministro de Portugal, António Costa, a primeira-ministra da Dinamarca, Mette Fredricksen, o chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, e o presidente do governo da Espanha, Pedro Sánchez, entre outros. O governo do México foi representado pela secretária de Relações Exteriores, Alícia Barcena.

Segundo o Planalto, o evento foi organizado pelo ex-primeiro-ministro da Suécia Stefan Löfven, líder do Partido Socialista Europeu, que atua no Parlamento da União Europeia.

À tarde, Lula participa da plenária da cúpula entre a Celac e a União Europeia. A abertura da cúpula ocorreu nesta segunda-feira (17) e discutiu temas relacionados a mudança do clima, comércio e desenvolvimento sustentável, inclusão social, recuperação econômica pós-pandemia, transição energética, transformação digital justa e inclusiva, migrações, entre outros assuntos.

Últimas