Brasília Manifestantes fazem ato em frente ao Ministério da Economia

Manifestantes fazem ato em frente ao Ministério da Economia

Ato, que ocorre no Dia do Servidor Público, é contra Reforma Administrativa e a favor de auxílio emergencial de R$ 600

Protesto foi organizado por entidades que representam trabalhadores

Protesto foi organizado por entidades que representam trabalhadores

Divulgação

Manifestantes ocuparam o espaço em frente ao Ministério da Economia em um ato contra medidas da pasta, nesta quinta-feira (28). O protesto, organizado por entidades que representam grupos de trabalhadores, ocorre na data em que se comemora o Dia do Servidor Público.

As principais pautas da manifestação são a defesa da prorrogação de auxílio emergencial, no valor de R$ 600, e a crítica à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32, da Reforma Administrativa.

De acordo com as organizações presentes no ato, a declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que a reforma vai garantir recursos para a implantação do programa Auxílio Brasil não se sustenta em cálculos e projeções.

“É um discurso mentiroso e eleitoreiro para manipular a opinião pública e fazer a sociedade acreditar que, se não houver a reforma, não haverá o auxílio”, avalia Pedro Armengol, diretor executivo da CUT e Secretário de Finanças da Confederação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras no Serviço Público Federal (Condsef).

O Ministério da Economia tornou-se alvo de protestos desde que foi revelado, no início deste mês, que o ministro Paulo Guedes mantém uma empresa em paraíso fiscal. No início do mês, durante um protesto, o prédio foi pinchado com os dizeres “Guedes no paraíso e o povo no inferno" e "Guedes lucra com a fome”.

Os problemas provocados pela crise financeira do país e o escândalo de conflito de interesses dos lucros do ministro em um paraíso fiscal motivam as principais manifestações.

Últimas