Brasília Ministério da Justiça estende prazo, e Força Nacional fica em terra indígena no Pará até fevereiro

Ministério da Justiça estende prazo, e Força Nacional fica em terra indígena no Pará até fevereiro

Uso foi autorizado em setembro, e o período terminaria neste domingo; Funai cumpre decisões para a retirada de grileiros

  • Brasília | Do R7, em Brasília, com informações da Agência Estado

Portaria foi publicada nesta segunda-feira

Portaria foi publicada nesta segunda-feira

José Cruz/Agência Brasil — Arquivo

O Ministério da Justiça e Segurança Pública prorrogou por 60 dias a presença da Força Nacional na Terra Indígena Ituna-Itatá, no Pará, em apoio à Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai), que cumpre duas decisões judiciais na região. Com o novo prazo, o uso está autorizado até 15 de fevereiro do próximo ano. A portaria é da última sexta-feira (15) e foi publicada no Diário Oficial da União nesta segunda(18 ).

As ações, que estão na Justiça Federal da 1ª Região, determinam a retirada de não indígenas do local. Há indícios de atuação de grileiros e invasores, que desmatam espaços protegidos e criam gado na região. Até o momento, a operação Ehara Tapiro apreendeu e retirou mais de 1.700 animais da terra indígena, que foram encaminhados para a Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepara).

Segundo a portaria, a Força Nacional atuará para preservar a ordem pública e garantir a segurança da população, além de proteger o patrimônio. Os agentes vão agir em articulação com os órgãos de segurança pública regionais.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

Uma das decisões judiciais determina a retirada de cabeças de boi criadas ilegalmente na área. Conforme o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), que também faz parte da operação, a Ituna-Itatá é uma das terras indígenas mais desmatadas do Brasil.

Em postagens nas redes sociais, a entidade denunciou que tem sofrido ataques desde o início da operação. Os relatos são de incêndios e de derrubada de pontes para dificultar os trabalhos dos órgãos. As equipes estão refazendo os equipamentos de infraestrutura destruídos para continuar a operação.

Últimas