Brasília Ministério Público Militar denuncia integrantes da FAB que levaram droga em avião presidencial

Ministério Público Militar denuncia integrantes da FAB que levaram droga em avião presidencial

Além dos sargentos, civis suspeitos de envolvimento no caso também foram indiciados

  • Brasília | Renato Souza, do R7, em Brasília

Avião que integra a comitiva presidencial, durante escala em São Paulo

Avião que integra a comitiva presidencial, durante escala em São Paulo

Record TV/Reprodução - Arquivo

A Procuradoria de Justiça Militar em Brasília apresentou denúncia contra três militares da Força Aérea Brasileira (FAB) que teriam transportado drogas em um avião da comitiva presidencial. Entre os denunciados, está o ex-sargento Manoel Silva Rodrigues, preso em 2019 em Sevilha, na Espanha.

Na peça enviada à Justiça Militar, a Procuradoria afirma que foi montado um complexo esquema de tráfico internacional de drogas por militares e civis, que envolveu, inclusive, a prática de lavagem de dinheiro. Além do transporte de drogas para a Europa, de acordo com as investigações, os envolvidos também atuavam no escoamento do produto ilegal no Brasil.

As investigações apontam que o ex-sargento fez o transporte de cocaína para a Espanha duas vezes em 2019. Ele foi detido na comitiva presidencial que seguia ao Japão para uma reunião do G20. A prisão foi em flagrante. Ele foi condenado pela Justiça espanhola a 14 anos e seis meses de prisão por tráfico internacional de drogas e continua preso no país.

Além de Manoel Silva, foram denunciados os militares Jorge Luiz da Cruz Silva e Márcio Gonçalves de Almeida e os civis Wilkelane Nonato Rodrigues, Marcos Daniel Penna Borja Rodrigues Gama, Márcio Moufarrege e Michelle Tocci. As investigações indicam que os sargentos atuaram sob ordem dos civis, mas que participavam ativamente da articulação do esquema criminoso.

A esposa de Manoel também teria participado do esquema de tráfico. O Ministério Público Militar afirma que o transporte por meio de aviões da FAB foi apenas mais uma maneira de desvio da vigilância das autoridades. A Procuradoria pede o confisco de bens do sargento e da esposa, como um veículo Chevrolet Cruze e um apartamento localizado em um condomínio fechado em Taguatinga, no Distrito Federal.

Últimas