Brasília Mulher é esfaqueada por colega após cobrar dívida de R$ 8 mil

Mulher é esfaqueada por colega após cobrar dívida de R$ 8 mil

Suspeito foi preso em flagrante, mas solto em audiência de custódia; ele vai responder em liberdade por tentativa homicídio 

  • Brasília | Jéssica Moura, do R7, em Brasília

21ª Delegacia de Polícia

21ª Delegacia de Polícia

Google

Uma mulher de 24 anos foi atacada a facadas após cobrar uma dívida de R$ 8.000 de um colega em Arniqueira, no Distrito Federal. O agressor, de 18 anos, fugiu no carro da vítima, mas foi preso horas depois. O crime ocorreu na noite de segunda-feira (25).

Testemunhas que presenciaram o ataque acudiram a mulher e acionaram a Polícia Militar. Ao chegarem ao local, os policiais encontraram a vítima ferida no chão e prestaram os primeiros socorros.

Em seguida, agentes da Polícia Civil passaram a procurar pelo suspeito após vizinhos relatarem que viram o homem entrando em um dos condomínios próximos.

Na casa apontada pelos moradores, os policiais conversaram com a madrinha do suspeito. Ela contou aos agentes que o afilhado passou no local e disse que tinha feito besteira. Pouco depois, o homem foi encontrado no estacionamento do Cemitério Campo da Esperança, na Asa Sul.

A faca usada no crime foi recolhida e encaminhada para o Instituto de Criminalística (IC).

Liberdade provisória

Os policiais o prenderam em flagrante e o levaram para a 21ª Delegacia de Polícia, em Taguatinga Sul. Lá, ele confessou a tentativa de homicídio.

Depois do flagrante, o homem foi submetido à audiência de custódia na quarta-feira (27). A juíza Nádia Vieira de Mello Ladosky, da 1ª Vara Criminal e do Tribunal do Júri de Águas Claras, decidiu pelo relaxamento da prisão. Agora, o homem vai responder ao crime em liberdade.

Por meio de nota, os advogados do suspeito informaram que "a liberdade provisória concedida ao acusado em audiência de custódia cumpre os requisitos autorizativos do Código de Processo Penal, arts. 312 e 319, não havendo falar em qualquer irregularidade". Sobre o ocorrido, a defesa disse que "não vai se manifestar até que totalmente apurados os fatos". 

Últimas