Brasília Mulheres ocupam maioria entre desempregados no Distrito Federal

Mulheres ocupam maioria entre desempregados no Distrito Federal

Apesar de serem a maior parte, a taxa de desemprego entre esse grupo caiu de 19,4% para 16,9% no ano passado, em relação a 2021

  • Brasília | Giovana Cardoso, do R7, em Brasília

Movimentação de mulheres em área comercial de Taguatinga, no Distrito Federal

Movimentação de mulheres em área comercial de Taguatinga, no Distrito Federal

Agência Brasília/ Divulgação- 26.1.2016

As mulheres representam a maioria dos desempregados no Distrito Federal, de acordo com o estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa e Estatísticas do Distrito Federal (IPEDF). Apesar de serem a maior parte, a taxa de desemprego desse grupo caiu de 19,4% para 16,9%. A comparação é entre o segundo semestre de 2021 e de 2022.

Entre as pouco mais de 800 mil mulheres ativas no mercado de trabalho no DF, 667 mil estavam ocupadas e 135 mil, desempregadas. Com relação aos homens, dos 848 mil ativos, 110 mil estavam sem emprego.

A pesquisa abordou também o rendimento médio do trabalho, onde mostra que as mulheres tiveram um crescimento de 3,3% na renda e os homens, um aumento de 1,4%. Embora a renda tenha subido, o salário médio continua menor para as mulheres, o equivalente a R$ 3.560, e R$ 4.604 para os homens. 

Em 2022, as áreas mais ocupadas pelas mulheres foram em administração pública, defesa e seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais, totalizando um terço deste grupo. Ainda de acordo com a pesquisa, os serviços domésticos apresentaram uma retração de 12,5% para 10,9%.

Violência doméstica

"O trabalho dignifica e liberta a mulher. Ele traz uma nova perspectiva de futuro para uma mulher, principalmente, para aquelas que sofrem violência doméstica", disse a secretária executiva da Secretaria da Mulher, Jackeline de Aguiar.

De acordo com a secretária executiva, 40% das mulheres que foram vítimas de feminicídio este ano tinham autonomia financeira. "Muitas tinham uma profissão, imagina as mulheres que não têm a oportunidade de ter uma possibilidade de trabalho. Com o trabalho podemos dar uma perspectiva melhor para a mulher, para que ela possa, muitas vezes, sair do ciclo da violência".

Últimas