Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Pacheco deve decidir até esta terça se devolve ao governo MP do PIS/Cofins

Senador reuniu-se com Lula e expressou insatisfação com Executivo pela insistência em tratar assunto da desoneração via medida provisória

Brasília|Ana Isabel Mansur, do R7, em Brasília

Lula e Pacheco se reuniram no Planalto (Ricardo Stuckert/Presidência da República - 12.12.2023)

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), deve tomar uma decisão a respeito da medida provisória que trata do PIS/Cofins até esta terça-feira (11), informaram ao R7 fontes próximas ao senador. A MP limita o uso dos créditos dos impostos e foi apresentada pelo Ministério da Fazenda na semana passada, como alternativa para compensar a perda de arrecadação com a desoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia e de pequenos municípios. A decisão de Pacheco inclui a opção de devolver a MP ao Executivo.

LEIA MAIS

O senador reuniu-se com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta segunda-feira (10), no Palácio do Planalto. No encontro, o presidente do Senado demonstrou a insatisfação do Congresso com a insistência do governo em tratar o assunto da desoneração da folha por meio de medida provisória — instrumento com força de lei que passa a valer a partir da publicação, com necessidade de aprovação pelo Legislativo em até 120 dias.

Pacheco também externou ao presidente o descontentamento com o desrespeito à noventena, o princípio da anterioridade que veta a cobrança de impostos antes de 90 dias da publicação da lei que criou ou aumentou a taxa. O senador teria afirmado a Lula, ainda, que há insatisfação do setor produtivo com a mudança repentina e com o possível vício de constitucionalidade. O texto limita os benefícios que empresas têm com descontos no pagamento dos dois impostos.

Pacheco reforçou ao petista o esforço do Legislativo para buscar uma medida alternativa à desoneração da folha, com debate e construção conjunta da iniciativa.

Publicidade

Pela manhã, Lula se reuniu com ministros e líderes do governo no Congresso para tratar do assunto. Depois da reunião, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, declarou que quer aproveitar a semana para explicar e esclarecer os efeitos da medida. O ministro afirmou querer “diluir” determinados questionamentos que, segundo ele, não conferem com a intenção da MP, sobretudo no que diz respeito à exportação.

Divergências

A medida tem gerado forte divergência no Congresso Nacional, o que impacta diretamente na votação do projeto que prevê a reoneração gradual da folha a partir do ano que vem. Líderes do Senado repercutiram o tema na semana passada e decidiram encomendar um estudo de impacto aos consultores da Casa enquanto trabalham na sugestão de outras formas de arrecadação que não tragam prejuízo aos setores da economia.

Publicidade

Entre as alternativas a serem levadas para a equipe do governo estão a atualização de ativos financeiros, a elaboração de uma nova política de repatriação e a manutenção do IPI, questões que já estiveram na roda de discussões anteriormente.

Com a necessidade de mudança avaliada pelos líderes e como os temas do PL da desoneração e da medida provisória caminham juntos, a possibilidade de votar o projeto antes do recesso legislativo de julho fica mais distante.

Publicidade

O que diz a MP

Para compensar a desoneração da folha de pagamento, o governo editou uma medida provisória com o objetivo de promover arrecadação de R$ 29,2 bilhões por meio de créditos do PIS/Confins. Para a compensação, a Fazenda adota como premissa a não-cumulatividade do PIS/Confins em uma sistemática nomeada “base sobre base”.

O governo estabelece uma alíquota nominal de 9,25% em relação a aos tributos. Com isso, a projeção da Fazenda é que a alíquota real fique abaixo de 1%. O acúmulo de créditos também leva em conta a soma dos chamados créditos presumidos, além de isenções e imunidade nas exportações.

O governo argumenta que a equação não promove “criação ou majoração de tributos” e nem prejudica “os contribuintes menores ou o setor produtivo”, tratando-se de uma correção de “distorções do sistema tributário brasileiro”.

Para 2024, o governo calcula um impacto com a desoneração de R$ 15,8 bilhões aos 17 setores que mais empregam e R$ 10,5 bilhões com municípios de até 156 mil habitantes, totalizando uma perda arrecadatória de R$ 26,3 bilhões. A medida provisória sugerida para compensar a perda superaria esse montante em quase R$ 3 bilhões.


Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.