Brasília Pacheco quer reforma tributária aprovada na próxima semana

Pacheco quer reforma tributária aprovada na próxima semana

Para o presidente do Senado, parlamento tem obrigação de aprovar matéria, mesmo em ano eleitoral; texto será votado na CCJ

  • Brasília | Augusto Fernandes, do R7, em Brasília

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco

Jefferson Rudy/Agência Senado

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse que a votação da reforma tributária na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Casa deve acontecer na próxima semana. O senador disse confiar na aprovação do texto, apesar de a análise da matéria ter sido adiada nesta quarta-feira (16) por falta de acordo, e destacou que a proposta “é muito importante para o país”.

“A PEC [da reforma tributária] foi muito discutida, muito debatida, tem o apoio dos estados, tem o apoio de boa parte do setor produtivo, tem o apoio da maioria dos municípios do Brasil. É bem verdade que os municípios maiores têm as suas ressalvas em relação à proposta, mas é o que foi concebido, depois de longa discussão, como o possível em termos de reforma tributária. E eu acredito muito na sua aprovação”, afirmou Pacheco, em entrevista à imprensa.

Na avaliação do presidente do Senado, os parlamentares têm a obrigação de aprovar a matéria, mesmo em ano eleitoral. “Não há nada mais amplo e ao mesmo tempo mais importante para o Brasil que a mudança do seu sistema tributário. Eleição é muito importante, em algum momento ela será a ordem do dia prioritária no Brasil. Mas até lá chegar, nós temos essa obrigação de aprovar [a reforma tributária]. Nós não podemos atrofiar o Legislativo em função de eleições.”

Pacheco disse ver com naturalidade o adiamento da votação nesta quarta, mas acredita que, com o fim das discussões sobre a matéria, só falta a votação. “Uma vez cumprida essa fase da Comissão de Constituição e Justiça, tem o compromisso, da presidência do Senado, de nós levarmos o mais rapidamente possível ao plenário.”

Últimas