PM agiota tem prisão preventiva decretada

Justiça acatou pedido da Polícia Civil do Distrito Federal de tornar prisão temporária em preventiva

  • Brasília | Do R7, em Brasília

 Ronie Peter Fernandes da Silva ostentava vida de luxo e viagens

Ronie Peter Fernandes da Silva ostentava vida de luxo e viagens

A Justiça acatou nesta sexta-feria o pedido feito ontem pela PCDF (Polícia Civil do Distrito Federal) de converter de temporária para preventiva a prisão do terceiro sargento da Polícia Militar do Distrito Federal Ronie Peter Fernandes da Silva e do irmão dele Thiago Fernandes.  

Os dois foram presos durante a operação SOS Malibu da PCDF por suspeita de agiotagem, ameaça, extorsão e lavagem de dinheiro.  O sargento como o irmão dele ostentavam uma vida de luxo nas redes sociais e se apresentavam como empresário, policial e admirador de viagens e carros.

A operação deflagrada pela PCDF na terça-feira (16)  tem como objetivo desarticular um grupo criminoso investigado por agiotagem, ameaça, extorsão e lavagem de dinheiro. Eles teriam movimentado mais de R$ 8 milhões no último ano, segundo as apurações, sob a liderança de Ronie Peter.

Para tentar fazer o lucro da agiotagem parecer legal, Ronie e Thiago tinham o apoio de uma rede criminosa que atuava na lavagem de dinheiro, segundo as investigações. Entre as estratégias estavam a compra de veículos de luxo, que eram colocados em nome de terceiros, e a movimentação financeira a partir de quatro empresas de Águas Claras e Vicente Pires.

Em nota, a Polícia Militar do DF garantiu que "já instaurou um procedimento apuratório sobre o caso de imediato" e que "não compactua com qualquer desvio de conduta de seus integrantes". "Comprovado os indícios de irregularidades ou crime, todas as medidas cabíveis ao caso serão tomadas", pontuou.

Últimas