Brasília Polícia encontra mãe e filha que estavam desaparecidas no DF

Polícia encontra mãe e filha que estavam desaparecidas no DF

Roseline contou à polícia que saiu de casa por não aguentar mais sofrer violência doméstica do marido

  • Brasília | Ricardo Faria, da Record TV, em Brasília

Chega ao fim mistério de desaparecimento de mulher e filha

Chega ao fim mistério de desaparecimento de mulher e filha

Divulgação / PCDF

Chegou ao fim o mistério da mãe e da filha que estavam desaparecidas desde o último dia 30 de março. Roseline Pereira dos Santos, de 31 anos, e a filha de 12 anos, foram encontradas pela Polícia Civil do Distrito Federal nesta quinta-feira (7).

Roseline contou à polícia que saiu de casa por não aguentar mais sofrer violência doméstica do marido, a quem teria denunciado em novembro de 2021. O caso era investigado pela 26ª DP, em Samambaia Norte. Em depoimento, Roseline disse que era constantemente ameaçada pelo marido. 

Violência doméstica

A mulher relatou aos policiais que, além de tê-la agredido com tapas no rosto e chutes nas pernas, o marido a ameaçou diversas vezes de morte, além de xingá-la, tudo na frente de sua filha de 12 anos. De acordo Roseline, o homem ainda teria tentado enforcá-la, mas acabou conseguindo escapar.

Em depoimento à polícia, Roseline disse que durante a briga, mesmo com a criança gritando, o marido tentou atear fogo nela, mas a vítima conseguiu impedi-lo, ao revidar as agressões. Depois disso, de acordo com a Roseline, o agressor ainda tentou ter com ela uma relação sexual forçada, que o ameaçou dizendo que iria denunciá-lo por estupro, fazendo com que ele desistisse.

De acordo com Roseline, após essa tentativa de estupro, por volta das 21 horas, ela saiu de casa com a filha dizendo que iria comprar algo e chamou um carro de aplicativo e fugiu.

A polícia informou ainda que a mulher manifestou interesse em executar o marido e agressor, judicialmente para que ocorra a apuração criminal dos fatos, que podem levar até seis meses para o oferecimento de queixa-crime. Ela também pediu medidas protetivas contra o marido, mas se recusou a ser acolhida por um abrigo, oferecido pela polícia para que ela e a filha pudessem se hospedar.

Últimas