Brasília Polícia Federal faz operação contra fraudes no Sistema S 

Polícia Federal faz operação contra fraudes no Sistema S 

Operação Sierra cumpre quatro mandados no DF e RJ. Principal alvo é o Instituto Euvaldo Lodi (IEL)

  • Brasília | Jéssica Moura, do R7, em Brasília

Os policiais federais cumprem mandados de busca e apreensão no DF e Rio de Janeiro

Os policiais federais cumprem mandados de busca e apreensão no DF e Rio de Janeiro

Jéssica Moura/R7

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta sexta-feira (10), a Operação Sierra, que apura fraudes nas administrações regionais do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e do Instituto Euvaldo Lodi (IEL), no Distrito Federal. Os investigadores cumprem quatro mandados de busca e apreensão no DF e no Rio de Janeiro.

As investigações apontam que o IEL firmou contratos de prestação de serviços com empresas de propriedade de dirigente do Sistema S, o que é expressamente proibido pela lei. As empresas beneficiadas receberam cerca de R$ 3 milhões, segundo a PF.

Os agentes da Polícia Federal chegaram ao prédio do IEL, no Setor de Indústria e Abastecimento (SIA), por volta das 6h. Ao todo, cinco policiais vasculharam o primeiro andar, onde funciona a sede do IEL. Os agentes recolhem dados de computadores na diretoria do órgão. Eles querem informações que respaldem a investigação, que apura irregularidades em um contrato de 2016.

Após quase três horas de buscas, a PF deixou o prédio do IEL com um HD externo. No equipamento foram colocados os dados dos computadores.

A PF deixou o prédio do IEL, em Brasília, com um HD externo

A PF deixou o prédio do IEL, em Brasília, com um HD externo

Jéssica Moura/R7

Segundo agentes da PF, a gestão atual do Instituto teria denunciado o caso, depois que uma empresa de um parente de dirigente do Sistema S, contratada pelo IEL, não prestou os serviços para o qual foi paga.

Os envolvidos podem responder pelos crimes de furto qualificado, falsidade documental e associação criminosa, com penas que podem chegar a 16 anos de reclusão.

Em nota, o Instituto Euvaldo Lodi do DF disse que "recebeu com tranquilidade a busca e apreensão pela Polícia Federal, tendo em vista que o objeto da busca é decorrente também de apuração interna e de ações judiciais de ressarcimento impetradas pelo próprio IEL-DF contra empresas contratadas pelo Instituto nos anos de 2015 e 2016."

O instituto ressaltou que ações de ressarcimento foram impetradas pelo IEL e tramitam em varas cíveis da Justiça do DF em fase de instrução. "Com as ações, o IEL-DF busca o ressarcimento dos valores pagos às empresas. O IEL-DF esclarece também que a apuração de todos estes eventos foi devidamente levada à conhecimento do Tribunal de Contas da União (TCU) pelo Instituto e que não há qualquer relação das empresas investigadas com dirigentes do Sistema S."

O IEL disse ainda que está colaborando com as apurações, "pois é o maior interessado no resultado, uma vez que estamos diante de fatos que prejudicaram não só os cofres do Instituto, mas também a sua imagem."

Últimas