Brasília Foragida desde 2021, mulher do 'faraó dos bitcoins' é presa nos EUA por visto ilegal

Foragida desde 2021, mulher do 'faraó dos bitcoins' é presa nos EUA por visto ilegal

Ela e o marido, que está preso, são suspeitos de manter rede de lavagem de dinheiro que movimentou R$ 38 bilhões em seis anos 

  • Brasília | Do R7, em Brasília

Mirelis foi presa com visto ilegal nos EUA

Mirelis foi presa com visto ilegal nos EUA

Record/Reprodução

Em cooperações com autoridades norte-americanas, a Polícia Federal prendeu a venezuelana Mirelis Diaz Zerpa, mulher do "faraó dos bitcoins", na última quarta-feira (25), em Chicago, nos Estados Unidos. A prisão ocorreu por ilegalidade no visto de permanência no país. Em contato com a família, ela alegou não ter conhecimento do fato. Mirelis estava foragida desde 2021, quando o marido foi preso em uma operação que revelou uma extensa rede de lavagem de dinheiro no Brasil - que chegou a movimentar R$ 38 bilhões entre 2015 e 2021.

O marido de Mirelis é Glaidson Acácio dos Santos, que foi preso na Operação Kryptos. A investigação aponta que o casal teria lesado mais de 300 mil pessoas. De acordo com a denúncia, a dupla desenvolveu um esquema que simulava investimentos em criptomoedas para encobrir pirâmide financeira.

Segundo a Polícia Federal, a empresa do casal prestava serviço a interessados em investir em bitcoins e utilizava de mais pessoas para cometer os crimes. As investigações duraram dois anos. 

Policiais federais prendem suspeita de golpe financeiro nos Estados Unidos

Policiais federais prendem suspeita de golpe financeiro nos Estados Unidos

Divulgação/Policia Federal

Contra a mulher havia um mandado de prisão expedido pela 3ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, por crimes praticados contra o Sistema Financeiro Nacional, lavagem de dinheiro e integração de organização criminosa.

                                                                
Em nota, a defesa de Mirelis disse que a prisão foi somente pela ilegalidade de sua permanência nos EUA e afirmou que não tinham conhecimento do ocorrido. "Mirelis vive, estudava e sempre esteve legalmente residindo nos Estados Unidos", informaram os advogados dela.

No ano passado, Glaidson e Mirelis foram convocados a prestar depoimento à CPI das Pirâmides Financeiras na Câmara dos Deputados. O marido chegou a comparecer à comissão. Por videoconferência, o "faraó" disse que devolveria o dinheiro para os clientes, mas que os valores estavam presos na Polícia Federal.

Últimas