Brasília Policial militar do DF vira réu por atropelar e matar idosa em faixa de pedestres

Policial militar do DF vira réu por atropelar e matar idosa em faixa de pedestres

Acusado de homicídio culposo, Luiz Artur Cubas Engel, de 25 anos, pilotava moto da PM; vítima tinha 73 anos e morreu no local

Atropelamento aconteceu em julho deste ano

Atropelamento aconteceu em julho deste ano

Reprodução/Record

O Tribunal do Júri de São Sebastião aceitou a denúncia do Ministério Público do Distrito Federal e tornou réu o policial militar Luiz Artur Cubas Engel, de 25 anos, por homicídio culposo. Ele é suspeito de atropelar uma idosa com uma moto oficial da corporação em uma faixa de pedestres em São Sebastião. Francisca Braz de Souza Lima, de 73 anos, sofreu politraumatismo contuso e morreu no local.

O caso aconteceu em julho deste ano na entrada principal de Morro Azul, em São Sebastião. Testemunhas informaram à Record que a vítima estava atravessando a via na faixa de pedestres quando foi atingida por Luiz Artur Engel, que estaria transitando em velocidade acima da permitida. O R7 aguarda um posicionamento da defesa do policial.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

Segundo a denúncia do MPDFT, o motorista estava a 65km/h em uma via com velocidade máxima de 50km/h. A instituição afirma que Luiz Engel agiu com "imprudência" e "inobservância do dever objetivo de cuidado a todos" e que a alta velocidade foi "causa determinanto do acidente e da morte da vítima".

O MPDFT recomenda a condenação do acusado e aplicação de multa para reparação de danos e prejuízos sofridos.

A vítima era moradora de Samambaia e estava em São Sebastião para realizar consultas médicas e encontrar familiares. Além do marido, ela deixou quatro filhos e dois netos. A Polícia Militar informa que abriu procedimento para apurar a conduta do agente na época do ocorrido e que o inquérito foi concluído e entregue para os trâmites judiciais.

Últimas