Brasília 'Voa Brasil', com passagens aéreas a R$ 200, terá 6 milhões de bilhetes em 2024

'Voa Brasil', com passagens aéreas a R$ 200, terá 6 milhões de bilhetes em 2024

Ministro dos Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, se reúne com Lula para fechar o programa, que deve ser lançado em janeiro

  • Brasília | Plínio Aguiar, do R7, em Brasília

Ministro dos Portos fecha proposta do 'Voa, Brasil'

Ministro dos Portos fecha proposta do 'Voa, Brasil'

Antônio Cruz/Agência Brasil - 13.9.2023

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reune na tarde desta terça-feira (9) com o ministro dos Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, para tratar do "Voa, Brasil", programa que vai possibilitar a venda de passagens aéreas a R$ 200 e deve ser lançado ainda em janeiro. O governo negocia com o setor privado para que seja possível comercializar 6 milhões de bilhetes em 2024.

Nesta primeira fase, o programa vai contemplar aposentados federais que não tenham viajado nos últimos 12 meses e recebam até dois salários mínimos mais os alunos do Programa Universidade para Todos (ProUni). Agora, Lula e o ministro vão discutir a distribuição das 6 milhões de passagens aéreas pelas principais companhias do país.

O diretor-presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Décio Lima, também participa da agenda. A expectativa do Ministério de Portos e Aeroportos é que cerca de 5 milhões de CPFs que não viajam passem a voar a partir dos descontos oferecidos pela iniciativa.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

O programa tem como objetivos incentivar o turismo nacional e o desenvolvimento regional, promovendo inclusão social. A ideia é tornar as viagens de avião acessíveis a um maior número de brasileiros e impulsionar o deslocamento dentro do país, principalmente para localidades menos atendidas por esse tipo de transporte.

O ministro tem a intenção de criar "um Voa Brasil internacional", para viabilizar a ida de estudantes ao exterior, com bolsas. "O aluno de escola pública que quer fazer um curso em Cambridge, em Harvard, não tem condições. Essa pode ser uma proposta que venha a surgir nesse programa. Estamos trabalhando com as companhias aéreas para fazer um belo programa", afirmou na ocasião.

Últimas