Correio do Povo Renato pede critério do VAR, mas reconhece: "Não jogamos praticamente nada"

Renato pede critério do VAR, mas reconhece: "Não jogamos praticamente nada"

Treinador avaliou que Everton e Maicon fizeram bastante falta para estilo de jogo do Grêmio

Treinador avaliou que Everton e Maicon fizeram bastante falta para estilo de jogo do Grêmio

O técnico Renato Portaluppi admitiu a fraca atuação do Grêmio - "Não jogamos praticamente nada" -, mas relatou que o resultado poderia ser diferente, caso a arbitragem de vídeo tivesse anotado pênalti no começo da partida para o Tricolor contra o Athletico-PR. "Sou totalmente a favor do VAR. Mas o que precisa mudar no futebol brasileiro são as regras na hora de aplicar o VAR", reclamou o treinador após a eliminação desta quarta-feira.

"Pela imagem que vi ali, o jogador está com o braço aberto. Se está com o braço aberto, na minha opinião está pedindo ajuda para o braço. O juiz para, vai olhar no VAR e não dá o pênalti", protestou o comandante gremista. "Não vou brigar, nem criticar. Mas, daqui a pouco, vai ter outro lance e vamos ficar questionando. Eles têm que definir. Mudava totalmente o jogo, estava 0 a 0", opinou. "Tem que definir o que é pênalti e o que não é."

Renato avaliou também que o Tricolor perdeu peças essenciais antes e durante a partida. "O Grêmio não valorizou demais a vantagem. Sentiu muita falta do Maicon e do Everton. Ambos fundamentais no nosso sistema de jogo. Everton com um erro infantil, tomou amarelo, o Maicon machucando a panturrilha", lembrou. "Ainda perdemos o Leonardo no momento do gol. Foi no setor dele, com dez em campo, que saiu o primeiro gol", analisou o técnico. "Com a expulsão do Kannemann, aí sim procuramos defender mais. Ali a chance era fazer a disputa nos pênaltis."

Com ou sem desfalques, Renato reconheceu que o Grêmio não esteve à altura. "Estivemos bem abaixo do que estamos acostumados a jogar. Era uma decisão, o adversário veio para competir e ganhar o jogo. Na maior parte do jogo, agente aceitou que jogasse", ponderou. "Pagamos pelos nossos erros. Mas é muito fácil achar falhas, podemos ficar aqui comentando a noite toda o que aconteceu de ruim."