Cidades Ele nunca sequer levantou a voz para família, diz tio de Lázaro

Ele nunca sequer levantou a voz para família, diz tio de Lázaro

Jorcilei Sales acredita que o sobrinho, morto nesta segunda-feira (28) após 20 dias em fuga, foi contratado para matar a família Vidal

  • Cidades | Kaique Dalapola, do R7, com informações da Record TV

Lázaro foi morto na última segunda-feira (28)

Lázaro foi morto na última segunda-feira (28)

Reprodução/Record TV

O tio de Lázaro Barbosa, Jorcilei Sales, acredita que a chacina contra a família Vidal foi encomendada e seu sobrinho recebeu para executar. Isso porque o homem morto pela polícia com pelo menos 38 tiros "era carinhoso, apesar de ser um pouco sistemático" e nunca sequer levantou a voz para família, segundo o tio. As informações são da Record TV.

Lázaro, de 32 anos, fugiu da polícia por 20 dias, pela área rural de Goiás, após ser apontado como responsável pela morte de quatro pessoas da mesma família, em Ceilândia, na região administrativa do Distrito Federal. Ele foi capturado e morto na última segunda-feira (28), próximo à casa da ex-sogra, no município de Águas Lindas, no interior goiano.

Jorcilei atua em trabalhos rurais e diz conhecer "praticamente toda região de Goiás com Distrito Federal", por onde Lázaro teria praticado o crime e fugido da polícia. Graças a esse conhecimento que tem, acredita que Lázaro foi contratado para matar a família Vidal.

"No meu ponto de vista, não tenho testemunho, mas eu acredito que foi um crime encomendado, porque [a área de divisa entre] Brasília e Goiás é um lugar de gente que nao paga a pessoa como deve, e acredito que aquilo não foi da cabeça dele, não", diz Jorcilei.

O tio de Lázaro lembra que, mesmo após terem ficado distantes por conta das rotinas, eles seguiam sendo amigos, e o sobrinho perguntava sobre Jorcilei toda vez que ligava para mãe, além de sempre ter sido respeitoso com toda família.

"Para mim, ele foi e sempre será meu amigo. Se eu te falar que ele já levantou uma voz alta com a gente, eu estou mentindo. Ele era carinhoso, sempre quando vinha em casa, apesar de ser um pouco sistemático, ele beijava no meu rosto, beijava no rosto da tia dele. Nós tínhamos um vínculo muito forte".

Mas Jorcilei destaca que "toda família tem uma ovelha negra", e diz que apesar de nenhum familiar de Lázaro, tanto por parte de mãe como por parte de mãe, nunca ter tido problemas com a polícia, o sobrinho "trouxe um trauma do passado na vida dele, talvez pela sequela da criação que o pai teve com ele".

Jorcilei conta que a família está abalada, porque esperava que Lázaro se entregasse a pagasse pelos crimes que são atribuídos a ele atrás das grades, mas também lamenta pelas possíveis vítimas de Lázaro. O tio também qcredita que, no momento da captura, o sobrinho "revidou e a polícia, que ja estava com muita raiva dele, acabou abatendo a vida".

Fazendeiro preso

Enquanto a polícia ainda buscava por Lázaro na área rural de Goiás, um fazendeiro de 74 anos foi preso, na quinta-feira (24), apontado como facilitador da fuga do homem. Jorcilei afirma que conhece esse idoso que foi preso, pois trabalhou para ele e o considera "um segundo pai".

Jorcilei afirma que trabalhou por dois anos e meio para o fazendeiro, e diz que o idoso não pagava nada pelos serviços, mas quando saiu do emprego, recebeu o que havia combinado pelo tempo de traballho.

O tio de Lázaro diz não saber os motivos para um possível envolvimento do idoso, mas acredita que o fazendeiro é "um homem de bom coração".

Últimas