Folha Vitória Brasil é vice campeão mundial em cirurgias cesáreas

Brasil é vice campeão mundial em cirurgias cesáreas

Segundo especialista, a cirurgia só deve ser realizada em caso de risco à saúde da mãe e do bebê

Segundo especialista, a cirurgia só deve ser realizada em caso de risco à saúde da mãe e do bebê

Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
No topo da lista dos países que mais realizam cesáreas estão: República Dominicana, com 58,1% dos nascimentos via cesárea; Brasil e Egito, com 55,5%. 

Poucas pessoas se dão conta, mas a realidade é que a cesárea é 10 vezes mais arriscada para mãe e 100 vezes mais para o bebê. Salvar a vida da mulher e do filho, esse é o propósito da cesariana. Porém, tem se tornado cada vez mais requisitada por gestantes e médicos, e, segundo o diretor da Associação de Ginecologia e Obstetrícia do Espírito Santo, Zacarias Borges Filho, a explicação está na comodidade em marcar o dia e o horário do nascimento do bebê, além de não sentir dor.

"As pessoas esqueceram do parto normal nos últimos dez anos e agora mais intensamente nos últimos cinco. O panorama tem se mostrado muito ruim e nosso índice de mortalidade materna está começando a aumentar de novo", comentou o diretor da associação.

Foto: ANS
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) o Brasil é vice campeão mundial em cesárea, perdendo apenas para a República Dominicana. O obstetra do Grupo Meridional, João Gabriel Nicolatti, afirma que na rede privada as cesarianas representam 85% dos partos, número muito superior ao recomendando pela OMS, que é de 15%.

Necessidade da cesárea

Um exemplo de quando a cesariana é necessária é o caso de Adriana Moutinho. Ela engravidou pela primeira vez em 2015, a gravidez foi tranquila até entrar no sétimo mês de gestação quando sua pressão começou a aumentar. Adriana teve pré eclampsia e síndrome de hellp, então os médicos fizeram uma cesárea de emergência porque ela e a bebê corriam risco de vida, mas infelizmente sua filha faleceu 10 dias após o nascimento devido um quadro infeccioso pulmonar.

"Após essa perda eu iniciei a investigação para saber a causa da síndrome de hellp e comecei a me preparar para uma nova gestação, tomei medicamentos para preparar meu corpo e fortalecer meu organismo. Oito meses após dar a luz eu já estava grávida novamente, procurei um obstetra de alto risco que me orientou a tomar injeções diárias de enoxoparina e também estava sendo acompanhada por um hematologista, cardiologista e endocrinologista", contou Adriana.

Foto: TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
Heitor em seu nascimento prematuro. 

Ao entrar no sétimo mês de gestação, dessa vez, grávida de Heitor Moutinho, Adriana foi há uma consulta de rotina e seu médico pediu alguns exames e neles detectou alteração nas taxas do fígado, ela tinha, novamente, desenvolvido a síndrome de hellp e mais uma vez precisou fazer uma cesárea de emergência. Foi então que nasceu o Heitor, com 1.340 quilos e 39 centímetros. "Hoje, ele está com 1 ano e dez meses, é uma criança sapeca, risonha e saudável, só posso agradecer a Deus e aos médicos que me acompanharam para o sucesso nessa gestação, principalmente ao meu obstetra que me acompanhou, passando os medicamentos necessários e exames na hora certa", lembrou Adriana.

Foto: TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Segundo o obstetra João Gabriel, aos poucos parece que a consciência da sociedade está mudando, tanto a das mães, quanto a dos médicos. "Existe um forte trabalho de conscientização sobre parto normal a respeito de como ele deve acontecer, existem até outros nomes como parto humanizado e parto adequado, mas a ideia principal é justamente fortalecer que o parto normal é saudável e indicado", finalizou.

O Jornal da TV Vitória preparou uma série especial com três reportagens sobre partos no Brasil e no Espírito Santo. Abaixo você confere o primeiro episódio da série que fala sobre cesarianas.