Cerca de 8% da população pode ter micose que afeta unhas, mãos e pés

Dermatologista alerta que se não tratada, a micose expõe à região afetada aos agentes causadores de outras doenças infecciosas

Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Entre as doenças causadas por fungos no ser humano, uma das mais frequentes é a micose. Segundo estudos, até 8% da população pode ter onicomicose, nome dado à micose que afeta especificamente as unhas das mãos e dos pés. "É uma doença comum, mas que possui tratamento", comenta a dermatologista Shirley Nogueira, da Sociedade Brasileira de Dermatologia. 

O fungo alimenta-se da proteína formadora das unhas, a queratina, sendo mais frequente nas unhas dos pés, por ficarem cobertas e num ambiente úmido, favorável à formação da doença. Vale mencionar, entretanto, que ela também pode atingir as mãos.

A médica alerta para o problema da micose. "Se não tratada, ela expõe aquela região a agentes causadores de outras doenças infecciosas." Para evitar o agravamento do quadro micótico, deve-se iniciar o tratamento o quanto antes. Medicamentos antifúngicos são ministrados via oral ou disponíveis para uso tópico em formato de creme, esmalte e solução. Loceryl, por exemplo, é um esmalte terapêutico que penetra na unha afetada, eliminando os fungos em até 12 meses com uma a duas aplicações por semana". 

De acordo com a especialista é importante destacar que o tratamento ideal é recomendado por um dermatologista, pois é o especialista que cuida das unhas. "Sempre sob orientação desse profissional, combinar remédios pode melhorar a resposta à onicomicose. A opção de procedimentos locais existe e é adotada quando o tratamento for insatisfatório ou demorado", finalizou.