Dois anos após a chegada da lama de rejeitos, ES ainda sofre as consequências do desastre

Dois anos após a chegada da lama de rejeitos, ES ainda sofre as consequências do desastre

Dois anos após a chegada da lama de rejeitos, ES ainda sofre as consequências do desastre

apos o rompimento da barragem da mineradora samarco no dia 05 de novembro no municipio de mariana em minas gerais a avalanche de lama com 60 milhoes de metros cubicos de rejeitos atingiu o rio doce uma dos maiores e mais importantes cursos dagua da regiao sudeste e desagua no litoral do espirito santo a partir dai capixabas e o mundo passaram a acompanhar trajetoria da lama sufocando lentamente a vida no rio onze dias depois em 16 de novembro a lama chegou ao estado dando fim a uma angustiante espera e iniciando um futuro de incertezas sobretudo para quem o rio doce fornecia o sustento segundo um estudo do greenpeace concluido este ano e realizado em pontos ao longo do percurso do rio doce desde minas gerais ate a foz no espirito santo 88 dos entrevistados afirmaram terem alterado o tipo de cultivo eou criacao realizada pela familia apos o rompimento da barragem em mariana o estudo tambem apontou que a falta de credibilidade na agua recebida pelo abastecimento das cidades faz com que a maioria dos agricultores comprem agua mineral para beber e cozinhar isto gera mais um custo na vida diaria destas familias apenas 41 dos entrevistados informaram receber agua de algum orgao ou instituicao apos dois anos o aspecto cristalino das aguas do doce ainda nao traz conforto nem perspectiva de recuperacao da regiao segundo o secretario de meio ambiente de linhares lucas scaramussa a atividade pesqueira e o turismo tao forte no balneario local praticamente nao existem mais regencia onde esta localizada a foz do rio ha mais um ano e sendo abastecida com carro pipa a fundacao a renova esta fazendo uma estacao de tratamento de agua eta mas a ideia e captar agua de poco profundo e nao do rio nos nao temos certeza sobre o que ainda ha nessa agua nos nao queremos correr o risco falta clareza e transparencia na divulgacao dos laudos isso afeta a pesca e o turismo ninguem quer comprar mais peixes dos pescadores que ainda tentam sobreviver da atividade a mesma desconfianca afasta os turistas que frequentavam o balneario principalmente por conta do surf diz o secretario os efeitos nocivos permanecem comprometendo o abastecimento de agua de regioes urbanas e de populacoes ribeirinhas que faziam uso direto do recurso natural na epoca do desastre nos conseguimos bloquear a passagem de agua dos afluentes por meio de construcoes de barragens isso evitou que a lama atingisse outros rios e contaminasse toda a bacia da regiao no entanto tememos que chuvas mais fortes aumentam demais o nivel dos rios fazendo com que as aguas se misturem e a contaminacao acabe acontecendo nos nao vemos mais a lama mas sabemos que ela esta la sempre que chove mais forte a turbidez aumenta afirma scaramussa a preocupacao do secretario e procedente um relatorio produzido por pesquisadores da universidade federal do espirito santo ufes apontou que a agua do mar atingida pela lama teve o enriquecimento de cinco elementos ferro aluminio chumbo cromo e manganes a quantidade de metais depositados no fundo do mar tem o dobro de ferro tres vezes mais manganes e quatro vezes mais aluminio em entrevista a revista universidade n 7 o professor renato rodrigues neto do departamento de oceanografia diz que em coleta realizada um ano apos o ocorrido os pesquisadores verificaram que para os metais existiu uma diminuicao da concentracao inicial apos o impacto e depois um aumento em novembro de 2016 quando as chuvas se intensificaram falta de transparencia no cadastrado dos atingidos dificulta a chegada de ajuda no mesmo dia da chegada da lama no es em minas gerais o mpf e o mp estadual firmam termo de compromisso preliminar com a empresa samarco mineracao sa estabelecendo caucao socioambiental de r 1 bilhao para garantir custeio de medidas preventivas emergenciais mitigatorias reparadoras ou compensatorias minimas decorrentes do rompimento das barragens de rejeitos em mariana regiao central de minas o termo de compromisso socioambiental tcsa assinado pela mineradora previa que a samarco garantisse renda minima a pessoas afetadas pela lama no rio doce alem de plano de identificacao manutencao de renda e amparo de todas as pessoas que exerciam atividades laborativas vinculadas ao rio doce seus afluentes e respectivas margens bem como lagos lagoas e aguas marinhas atingidas pelo impacto do rompimento da barragem da mineradora contudo os criterios utilizados pela fundacao renova entidade criada pelas empresas envolvidas para realizar a recuperacao do doce e fornecer auxilio aos atingidos dificultam a liberacao dos recursos segundo o defensor publico estadual rafael mello portella campos desde o rompimento estamos acompanhando a situacao e ate hoje nao conseguimos entender como sao estabelecidos os criterios para definir a situacao que quem e atingido e quem nao e um exemplo e que o recorte geografico imposto pela renova eliminava todo o litoral da area atingida apos muita conversa recomendacoes a defensoria conseguiu incluir e inserir comunidades atingidas das comunidade da auxilio e indenizacao destaca de acordo com o defensor publico mesmo as comunidade pesqueiras mais distantes foram afetadas e nao conseguem mais vender sao mateus por exemplo teve impacto direto no manguezal mas precisamos de realizar um forte trabalho de conscientizacao para conscientizar a comunidade que era preciso acionar os poderes publicos antes apenas treze pessoas haviam sido cadastradas pela renova para receber o auxilio emergencial depois do trabalho da defensoria conseguimos cadastrar 607 pessoas ainda segundo rafael m p de campos outro embate juridico que tem atrasado a liberacao da ajuda para os atingidos era relativa a indenizacao a proposta da fundacao renova era que ao receber a indenizacao o atingido tivesse descontado do valor aquilo ja havia sido recebido com auxilio emergencial isso e uma conduta abusiva apos um acao civil publica comite interfederativo cif acatou a nota tecnica da defensoria publica e cristalizou a posicao de que que auxilio financeiro emergencial serve para impedir vulnerabilidade e nao pode ser compensado na indenizacao destaca futuro incerto a pesquisadora cristiana losekkan coordena o nucleo de estudo pesquisa e extensao em mobilizacoes sociais organon e uma das atuacoes desse nucleo e a pesquisa sobre os impactos dos grandes empreendimentos quando ocorreu o rompimento da barragem o grupo passou a acompanhar as comunidades afetadas desde baixo guandu ate sao mateus os grupos que se organizavam em torno do tema ja alertavam para esse perigo de fato a gente ja imaginava que uma serie de impactos iria aumentar decorrente do aumento das atividade de mineracao no brasil mas ninguem esperava um desastre dessa magnitude e a medida que a lama foi subindo os efeitos foram se alastrando para a pesquisadora desde o inicio houve uma disputa sobre o que e considerado atingido ou nao podemos perceber que progressivamente o reconhecimento foi sendo retirado um exemplo sao pescadores que nao possuem comprovacao formal da atividade num primeiro momento eles tambem foram considerados atingidos mas depois foram aos poucos retirados disse o nucleo coordenado pela critiana losekkan atua no processo de mobilizacao reivindicacao e acesso a justica por parte dos atingidos e a falta de transparencia nos processos da fundacao renova para a liberacao do auxilio tambem e criticada pela pesquisadora e uma inconsistencia ter pessoas com vidas similares e uma e ser reconhecida e outra nao nos se tem acesso ao cadastro e nao entendemos direito quais sao os criterios falta de transparencia neste trabalho criticou a situacao e preocupante mesmo para quem recebe e esta vivendo do auxilio emergencial percebemos o aumento nos niveis de alcoolismo e sofrimento muito elevado nessas regioes o numero de pessoas em vulnerabilidade social tambem cresceu assim como o trafico de drogas sao pessoas que de uma hora pra outra tiveram suas vidas modificadas e um novo sistema lhes foi imposto alem disso as pessoas que recebem auxilio ainda sofrem preconceito porque sao identificadas como aproveitadoras alertou para cristiana losekkan e dificil fazer uma previsao otimista sobre o futuro das comunidades afetadas pelo desastre de mariana a questao do futuro e questao central o que vai acontecer quando a agua vai ficar boa e confiavel quando vamos voltar a consumir o pescado observamos que tudo e uma perspectiva porque os programas estao bem atrasados ainda existe uma controversia a respeito da retirada da lama se nao tirarem a chance e muito pequena o futuro infelizmente e bastante incerto lamenta fundacao renova sobre o cadastros dos atingidos a fundacao renova respondeu que ele foi iniciado em carater emergencial logo apos o rompimento da barragem com formulario simplificado cedido pela defesa civil e corpo de bombeiros um novo cadastro integrado foi construido pela renova com a participacao de orgaos dos governos federal estaduais e municipais e e acompanhado pelo cif ate setembro deste ano mais de 23 mil cadastros foram realizados a meta e chegar a 25 mil cadastros ate dezembro o preenchimento do cadastro e voluntario e o impactado pode ser acompanhado de advogado ou qualquer assessoria juridica a renova informou que atualmente cerca de 8 3 mil pessoas recebem os cartoes auxilio 3 7 no espirito santo esses cartoes foram entregues considerando um cadastro emergencial logo apos o rompimento da barragem em outubro de 2016 a fundacao iniciou um novo cadastro integrado com informacoes sociais e economicas detalhadas a partir desses dados estao sendo definidas indenizacoes acoes de reparacao e integracao das pessoas aos programas previstos pela fundacao a renova respondeu tambem que em relacao a indenizacao por agua no espirito santo a renova ja atendeu mais de 83 mil pessoas no municipio de colatina com cerca de r 50 milhoes pagos ja a indenizacao por danos gerais e destinada as pessoas ou micro e pequenas empresas que sofreram danos ou perdas em suas atividades economicas nesse caso os valores pagos sao avaliados caso a caso tendo como base as informacoes do cadastro integrado no caso dos pescadores a fundacao renova disse que elaborou por meio de construcao conjunta uma proposta de indenizacao coletiva a proposta teve como base estudos que indicaram a renda media para cada categoria de pescador a renova destacou que ate o momento cerca de r 500 milhoes ja foram gastos com auxilios e indenizacoes em minas gerais e no espirito santo em relacao aos danos a renova respondeu que as acoes de reparacao dos danos causados pelo rompimento da barragem de fundao em mariana mg ja receberam aportes de r 2 5 bilhoes de um total de r 11 1 bilhoes previstos ate 2030 sob a responsabilidade da fundacao renova organizacao autonoma sem fins lucrativos estabelecida para efetivar a reparacao as acoes distribuem se em 42 programas e projetos priorizando o reassentamento das pessoas atingidas o pagamento de indenizacoes a manutencao da qualidade da agua na bacia do rio doce e a retomada da atividade economica dos municipios afetados sobre a recuperacao ambiental do rio doce a renova disse que esta executando acoes de combate a erosao recuperacao de nascentes restauracao florestal monitoramento da biodiversidade melhorias no sistema de abastecimento numeros da tragedia mortos e desaparecidos 19 pessoas desabrigados mais de 1 200 pessoas 1 469 hectares de terras destruidas prejuizo a pescadores ribeirinhos agricultores assentados da reforma agraria e populacoes tradicionais indios krenak guarani e tupinikim na zona rural e aos moradores das cidades ao longo dos rios atingidos 26 pessoas foram denunciadas pela tragedia em mariana 21 sao acusados por homicidio doloso e outros tres tipos previstos no codigo penal alem dos mesmos crimes ambientais atribuidos as empresas samarco vale e bhp billiton ja vogbr e engenheiro da empresa sao acusados de emissao de laudo ambiental enganoso fotos leonardo mercon projeto lagrimas do rio doce