Folha Vitória Enfermeira do ES se pronuncia após polêmica sobre vacina: 'não cometi nenhum crime'

Enfermeira do ES se pronuncia após polêmica sobre vacina: 'não cometi nenhum crime'

Em sua conta no Instagram, Nathanna Faria Ceschim postou um vídeo em que afirma não ter debochado de ninguém e que só expressou sua opinião

Folha Vitória
Foto: Reprodução
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Depois de se envolver em uma polêmica ao declarar, em seu perfil no Instagram, que só havia tomado a CoronaVac porque "precisava viajar" e que a vacina contra a covid-19 produzida pelo Instituto Butantan não lhe dava segurança, a enfermeira Nathanna Faria Ceschim resolveu se pronunciar sobre o assunto nesta segunda-feira (25). Na mesma rede social, ela postou um vídeo em que afirma estar com a consciência limpa, por não ter cometido crime algum e por ter, segundo ela, apenas expressado sua opinião a respeito da vacina.

O vídeo que gerou toda a polêmica — e, inclusive, motivou a abertura de um procedimento ético, por parte do Conselho Regional de Enfermagem do Espírito Santo (Coren-ES) — foi postado na semana passada, após a enfermeira, que trabalha no Hospital Santa Casa de Misericórdia de Vitória e atua na linha de frente contra a covid-19, ter sido vacinada. 

Na gravação, Nathanna ironiza o índice de eficácia geral do imunizante, de 50,38%. "Tomei por conta (sic) que quero viajar, e não para me sentir mais segura. Uma vacina que dá 50% de segurança para mim não é uma vacina. Tomei foi água", afirmou a enfermeira, na ocasião.

Vale lembrar, no entanto, que a CoronaVac apresentou 77,96% de eficácia contra manifestação de sintomas e 100% contra casos graves da doença, segundo o Instituto Butantan.

Explicações

Nesta segunda-feira, Nathanna deu explicações sobre a declaração. No novo vídeo postado, ela afirma que não teve a intenção de fazer campanha contra a vacina. 

"Não cometi crime algum. Não fui pega desviando ou desprezando vacina, não joguei vacina fora, não desviei verba do covid. Em nenhum momento do vídeo eu fiz campanha contra a vacina. Em nenhum momento do vídeo eu disse: 'olha, não se vacinem'! O meu vídeo foi totalmente caseiro. Eu estava dentro da minha casa, sem roupa de trabalho. Não envolvi ninguém, nenhuma instituição. Eu apenas exerci o meu direito, como cidadã, de expressar a minha opinião. A famosa liberdade de expressão". 

A enfermeira garantiu ainda não ter debochado da covid-19 ou das pessoas que foram vítimas da doença.

"Em nenhum momento eu zombei, eu debochei dos mais de 200 mil óbitos que o Brasil teve. Em nenhum momento eu zombei ou debochei das pessoas que contraíram a doença na forma leve, moderada e grave".

Nathanna também pediu desculpas a quem se sentiu ofendido por suas declarações, mas reafirmou sua opinião sobre a CoronaVac.

"Aquele vídeo que eu gravei na minha casa poderia ter sido gravado em qualquer lugar: em uma praia, num bar, num restaurante. Era só alguém ter me perguntado, com uma câmera de celular gravando: 'Nathanna, qual a sua opinião sobre a vacina'? E eu ia dar aquela opinião. Então eu quero dizer que quem sou eu para tirar a fé de quem tem fé na vacina? Eu não estou aqui para fazer campanha contra a vacina. A Nathanna acha que, mesmo tomando a vacina, nós iremos ficar vulneráveis a pegar a doença, devido à porcentagem de segurança que a vacina nos oferece. E ponto final".

Denúncia

Após as polêmicas declarações da semana passada, Nathanna foi denunciada junto ao Coren-ES. Caso seja comprovado, ao longo das investigações, que a enfermeira cometeu infração ética, ela pode até ter seu registro profissional cassado.

"É inaceitável que, após onze meses de enfrentamento à pandemia e em defesa da vida, um profissional de Enfermagem se posicione nas redes sociais de forma irresponsável e inconsequente, comprometendo a ciência, a saúde e a vida das pessoas", afirmou o conselho, por nota.

Já a Santa Casa de Misericórdia de Vitória informou que não compactua com esse tipo de pensamento e que já tomou todas as medidas cabíveis relacionadas ao assunto. O hospital, no entanto, não detalhou quais foram essas medidas.

O Ministério Público Estadual (MPES) disse que também vai investigar o caso.

Últimas