Folha Vitória Mega da Virada: "números de Pelé" dariam prêmio máximo

Mega da Virada: "números de Pelé" dariam prêmio máximo

Veja qual seria o raciocínio lógico envolvendo os "números de Pelé" que poderia ter deixado brasileiro milionário em 2023

Folha Vitória
Foto: Montagem FV
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Já pensou começar o ano milionário? Muitos brasileiros torceram para conquistar o prêmio da Mega da Virada, que teve o maior valor da história das loterias da Caixa Econômica Federal, com mais de R$ 540 milhões.

O resultado chamou a atenção dos fãs mais atentos do Rei do Futebol Pelé, que morreu no último dia 29 de dezembro, dois dias antes do sorteio. Isso porque os "números de Pelé" estavam representados nas dezenas e poderiam dar o prêmio máximo ao apostador.

>> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas? Participe do nosso grupo de notícias no WhatsApp ou entre no nosso canal do Telegram!

Sendo fanático por futebol ou não, caso prestasse uma homenagem ao ídolo brasileiro, quem tivesse a sacada antes do sorteio poderia estar comemorando neste momento.

Mas, por enquanto, nenhum dos cinco ganhadores da aposta afirmaram ter se inspirado na morte do rei. 

O resultado divulgado da Mega da Virada foi 04-05-10-34-58-59.

LEIA TAMBÉM: "Foi uma honra", diz capixaba de 96 anos que sofreu único gol de Pelé no ES

Segundo observação feita pelo jornalista capixaba José Caldas da Costa, que atua no portal de notícias Tribuna Norte Leste, os números poderiam ser explicados da seguinte forma: 

 - Das Copas do Mundo que o Brasil venceu, Pelé só não jogou as competições 04 e 05. Além disso, outros fatos que reforçam as dezenas são: Pelé ganhou cinco Campeonatos Brasileiros (à época, Taça Brasil) consecutivas (05) e fez quatro gols na sua coroação na Copa de 1970 (04).

-Ele eternizou a camisa 10 e conquistou seus dois primeiros títulos como profissional nos anos de 58 e 59.

 - Já o 34 veio do último título conquistado pelo Rei no New York Cosmos, clube com o qual assinou contrato aos 34 anos. 

Esse seria o raciocínio lógico envolvendo os "números de Pelé" para ficar milionário em 2023.

LEIA TAMBÉM: Câncer de cólon: entenda principais sintomas de doença que matou Pelé

Foto: AgNews / AgNews
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Pelé é considerado uma máquina de troféus: veja os títulos

Em 21 anos de carreira, Pelé conquistou uma enormidade de títulos, pulverizou recordes, aniquilou adversários. O Rei do Futebol desfilava em campo com genialidade e competência e acostumou-se a enfileirar taças e troféus com as camisas do Santos, da seleção brasileira e ainda do Cosmos, de Nova York.

• Três Copas

Aos 17 anos, Pelé só entrou no terceiro jogo da seleção brasileira na Copa do Mundo da Suécia, em 1958. Mas, foi no seu segundo jogo, já pelas quartas de final, contra o País de Gales, que o mundo conheceu Pelé. Ele marcou um gol fantástico.

Sua habilidade superou a retranca armada pelos galeses, que só deram três ataques nos 90 minutos de disputa, contra 67 tentativas do Brasil.

LEIA TAMBÉM: Pelé: Rei do Futebol também nos gramados virtuais

Na semifinal, o garoto que iria eternizar a camisa 10 fez três gols contra os franceses em um período de apenas 22 minutos. Um de cada jeito. E ele nem tinha idade para ver os filmes de Brigitte Bardot, então um mito do cinema.

Outros dois gols foram assinalados na decisão diante dos anfitriões. Foram duas vitórias por 5 a 2 que garantiram a primeira taça para a seleção brasileira. A cena do choro de Pelé nos braços do goleiro Gylmar é inesquecível.

No Chile, em 1962, Pelé se preparou para liderar a seleção ao lado de Garrincha. Aos 21 anos, prestes a marcar o 500º gol na carreira, ele fez um logo na estreia: vitória por 2 a 0 sobre o México.

Saiu de campo empolgado, mas uma lesão muscular na coxa - uma das poucas lesões sofridas na carreira -, frente à Checoslováquia, aos 28 minutos de partida, o tirou do restante do torneio.

Pelé trocou os gramados chilenos pelas arquibancadas para ver o show de Garrincha e Amarildo, que o substituiu. O Brasil passou por Espanha, Inglaterra, Chile e Checoslováquia para ganhar o bi.

Depois do fracasso na Inglaterra, em 1966, quando o Brasil caiu na primeira fase, em sua pior participação em Copas, Pelé chegou ao México, em 1970, sob suspeita. Afinal, pela primeira vez ficara no banco de reservas - contra o Chile, no Morumbi -, e substituído diante da Argentina, em Porto Alegre.

Mas com um preparo físico invejável e esbanjando técnica, Pelé fez quatro gols e deixou lembranças maravilhosas como o chute do meio-campo contra a Checoslováquia, a cabeçada defendida pelo inglês Gordon Banks, o drible sensacional no goleiro uruguaio Mazurkiewicz e o passe milimétrico para o gol de Carlos Alberto Torres, o quarto do Brasil na vitória por 4 a 1 sobre a Itália. Justiça feita ao maior jogador de todos os tempos.

• 1000 gols

Na noite de 19 de novembro de 1969, Pelé cobrou um pênalti contra o Vasco, no Maracanã, e se tornou o primeiro jogador de que se tem notícia a marcar mil gols como profissional. A façanha do Rei e melhor atleta do século 20 ganhou manchetes em todos os cantos do planeta e serviu para dar mais força ao mito Pelé.

Depois do milésimo, ele marcou mais 281 gols, mas nenhum deles teve o impacto daquela cobrança de pênalti que quase foi defendida pelo goleiro argentino Andrada - ao socar o gramado do Maracanã de tanta raiva, ele deixou claro que não queria ter entrado para a história do futebol mundial daquela maneira.

Foram tantos os jornalistas e curiosos que invadiram o campo depois do milésimo gol que o jogo teve de ser interrompido.

Foto: Reprodução / Instagram
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Carregado em triunfo no Maracanã, Pelé fez um emotivo discurso em favor das crianças pobres e foi muito criticado por isso - mesmo assim, passou o resto de sua vida dizendo que mantinha palavra por palavra do apelo que havia feito no calor de um de seus mais gloriosos momentos como jogador de futebol.

• Atleta do século

Um dos títulos mais importantes de sua vida Pelé ganhou depois de ter deixado os gramados. Em julho de 1980, o jornal francês L’Equipe publicou o resultado de uma eleição feita para apontar aquele que seria o melhor atleta do século 20. O Rei do Futebol foi o vencedor.

Pelé só recebeu o troféu em maio do ano seguinte, no gramado do estádio Parque dos Príncipes, em Paris, onde naquele dia as seleções de Brasil e França se enfrentaram em um amistoso. De terno e gravata, o Atleta do Século deu uma volta olímpica no estádio parisiense aplaudido de pé pela apaixonada torcida francesa.

A vitória de Pelé na eleição promovida pelo jornal francês foi apertada. Ele teve 178 pontos, apenas nove votos a mais que o americano Jesse Owens, mito do atletismo, que ganhou quatro medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos de Berlim, na Alemanha, em 1936, com a presença de Hitler. O terceiro colocado, com 99 pontos, foi o ciclista belga Eddy Merchx.

• Títulos brasileiros

Em dezembro de 2010, a CBF oficializou os títulos da Taça Brasil e do Torneio Roberto Gomes Pedrosa como conquistas nacionais, os igualando ao Brasileirão.

Com isso, Pelé passou a ter seis conquistas nacionais pelo Santos. O Rei foi campeão da Taça Brasil em 1961, 1962, 1963, 1964 e 1965 e do Roberto Gomes Pedrosa, o Robertão, em 1968.

• Soberano do paulistão

O Campeonato Paulista foi o torneio em que Pelé exibiu com mais frequência a sua genialidade, sempre elevando o nome do Santos. Seu desempenho no torneio estadual - que em sua época era muito mais valorizado do que hoje - foi avassalador.

Ele conquistou a taça regional nada menos do que dez vezes e terminou como artilheiro em 11 edições da disputa, sendo nove delas consecutivas - entre 1957 e 1965.

O Paulista de 1958, primeiro título conquistado por Pelé, teve uma atuação demolidora do Rei do Futebol. Ele terminou a competição com 58 gols, recorde que nenhum outro jogador sequer chegou perto de igualar até os dias atuais.

Últimas