Folha Vitória Oferta de crédito rural foi de mais de R$ 55 bi em 2021

Oferta de crédito rural foi de mais de R$ 55 bi em 2021

Setor do gado de corte está em crescimento, tendo movimentado R$ 747 bilhões em 2020; especialista comenta sobre o panorama do agronegócio no país.

Folha Vitória
Foto: Divulgação/DINO
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Segundo dados públicos do Banco Central, no ano de 2021 foram concedidos R$ 55,1 bilhões em créditos rurais para produtores de todo o setor de pecuária. Somente em créditos para produtores de bovinos, foram R$ 48,3 bilhões movimentados. Tal cenário vai ao encontro do panorama mais amplo sobre o setor, que de acordo com as informações da Abiec (Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes), aferidas a partir da última edição do Beef Report, indicou que o PIB da pecuária de corte representou 10% do PIB total brasileiro em 2020.

Diante deste aquecimento do mercado, dezenas de feiras e leilões estão agendados nos próximos meses em todo o país, sendo o mais maior e mais importante destes eventos a ExpoZebu, que será realizada entre os dias 30 de abril e 8 de maio, em Uberaba (MG). A feira terá em sua grade comercial mais de 40 eventos, entre shoppings e leilões. Estão previstas, ainda, palestras, cursos e workshops, bem como diversas atrações musicais.

Ainda de acordo com o informe da Abeic, o mercado da pecuária de corte movimentou, também em 2020, cerca de 20,8% a mais do que no ano anterior, chegando a registrar R$ 747 bilhões - o volume corresponde a todas as movimentações relacionadas ao setor, desde valores de insumos até os investimentos em nutrição animal, exportações e vendas. 

Para Katiane Passos, especialista em contemplação na Talento, empresa especializada em soluções em crédito agro, o mercado de pecuária está em período de franca expansão. “Somente no ano passado a arroba do boi subiu quase 35%, chegando a quase 40% em algumas regiões do país”, afirma. 

A especialista comenta ainda que “isso se deve a grande procura para exportação e a valorização natural do preço do gado”. Para ela, “mesmo com possíveis crises como guerras ou trocas de governo, a tendência ainda é de crescimento para os próximos anos”.

Katiane Passos conta que as expectativas para este ano são altas. “Como já vimos anteriormente, nas últimas crises, o agro não para. Portanto, em grande parte, o crescimento continua ou ainda fica exponencial, assim como vimos no caso da Covid, onde no começo da pandemia a arroba era vendida a pouco mais de R$ 150 e hoje está em mais de R$ 330”.

Segundo ela, para que este crescimento possa acontecer de fato, é necessário continuar com os investimentos, que podem ser facilitados por linhas de crédito que atendam aos produtores. “O Brasil é um dos maiores produtores de carne bovina: segundo o registro da Abeic, em 2020 havia 187,55 milhões de cabeças. Mas para aproveitar esse aquecimento do mercado, é preciso que sempre haja quantidade suficiente de produtores participando das transações de compra e venda”.

Especificamente para o agronegócio, as linhas de crédito disponíveis no Brasil, oferecidas pelo Banco Central e outras instituições, focam em investimentos triviais (como compra de insumos e pequenas melhorias) e investimentos estruturados (aquisição de terras e compras de animais). 

“Para os investimentos triviais o banco normalmente é a melhor opção, pois tem linhas de crédito voltadas exatamente para isso, como o Pronaf, Pronamp entre outras. Mas para investimentos estruturados, os bancos não tem nenhuma linha de crédito que consiga ajudar, ou seja, o produtor até consegue crescer, mas a passos de formiga”, explica Katiane Passos. 

Ela acrescenta que, para que o setor continue nesse ritmo de crescimento, os créditos que estimulam os investimentos estruturados serão essenciais: deles dependem as grandes movimentações como a comercialização de animais em leilões.

Para mais informações, basta acessar: https://www.talentoconsorcios.com.br

Últimas