Folha Vitória R$ 67 milhões: empresa que "engordou" Balneário Camboriú aumenta praia de Guarapari

R$ 67 milhões: empresa que "engordou" Balneário Camboriú aumenta praia de Guarapari

Após anos de erosão, faixa de areia de Meaípe, em Guarapari, será expandida por consórcio do governo do Estado, com empresa que fez...

Folha Vitória
Foto: Reprodução/Instagram @meaipebeach
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
Foto mostra faixa de areia de Meaípe, em Guarapari

Em 90 dias, a faixa de areia da praia de Meaípe, em Guarapari, estará completamente refeita. O prazo é o pedido para que as obras de "engordamento" do local sejam entregues pelo governo do Espírito Santo. Ao todo, serviço custa pouco mais de R$ 67,2 milhões ao Estado. 

Meaípe já sofre com erosão por repetidas vezes e, principalmente em temporadas de verão, o fenômeno que faz o mar avançar não só afasta turistas como faz produtores locais, comércio e restaurantes terem até que deixar de funcionar por conta de eventuais riscos. 

LEIA TAMBÉM: Muso do bumbum de 116 cm vai desfilar no Carnaval de Vitória 2023

A novidade é que a Coluna Pedro Permuy, que não é boba nem nada, apurou que uma das empresas que trabalhará na praia capixaba tem um know how para lá de importante na área. A companhia em questão fez parte, também, dos trabalhos de expansão da praia de Balneário Camboriú - cidade cuja faixa de areia, no português claro, é um verdadeiro aterro artificial sobre o mar. 

LEIA TAMBÉM: "Escolhi lutar": Poliana abre o jogo sobre perdoar traições de Leonardo

Só para se ter ideia, em 2021, a faixa de areia passou por uma superobra que a fez passar de cerca de 25 para impressionantes 70 metros de largura. Em Santa Catarina, o fim do serviço aconteceu recentemente, em outubro de 2022. 

A empresa Jan de Nul, que faz parte do Consórcio Meaípe (nome do conjunto de empresas contratado pelo governo do Estado), é que é a mesma que realizou os serviços em Camboriú e, ainda, em Matinhos. A companhia será responsável por fazer a dragagem do balneário capixaba, como o Departamento de Edificações e de Rodovias do Espírito Santo (DER-ES) confirma a este colunista. 

LEIA TAMBÉM: Herança do pai de Luciana Gimenez: Justiça decide futuro de bens após acidente: "Aconteceu"

O órgão informa ainda que a Jan de Nul é uma das que forma o consórcio, que custará exatos R$ 67.224.368,20. 

"(O consórcio é) formado pelas empresas Jan de Nul do Brasil Dragagem LTDA, Santa Luzia Engenharia e Construções LTDA, Aquamodelo Consultoria e Engenharia LTDA e DEC Dragagem Engenharia e Comércio LTDA", detalha o DER-ES ao Folha Vitória. 

LEIA TAMBÉM: Traição, bruxa e polêmicas: Piqué chora e implora para voltar com Shakira

"Juntas, elas (as empresas) formaram o Consórcio Meaípe, que é o responsável pelas obras de elaboração de projeto básico e executivo de engenharia e para execução das obras de contenção da erosão e restauração da região costeira de Meaípe", também conclui o departamento, que revela ainda que a previsão é de que as obras terminem em até 90 dias.

As informações foram confirmadas à coluna, que não dorme no ponto, no fim da tarde desta segunda-feira (23). 

LEIA TAMBÉM: Beyoncé cobra mais de R$ 120 milhões por show privado de luxo em Dubai

Últimas