Folha Vitória Tragédia em Brumadinho poderia ter sido evitada, diz MP de Minas Gerais

Tragédia em Brumadinho poderia ter sido evitada, diz MP de Minas Gerais

Em entrevista, a promotora Paula Ayres afirmou que já há convicção entre os vários órgãos que participam das apurações de que foi um crime doloso

Em entrevista, a promotora Paula Ayres afirmou que já há convicção entre os vários órgãos que participam das apurações de que foi um crime doloso

Foto: TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A promotora de Justiça do Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG), Paula Ayres Lima, disse hoje que a força tarefa que investiga o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, ocorrido no fim de janeiro, já tem convicção de que a tragédia poderia ter sido evitada. Em entrevista realizada em Belo Horizonte, na tarde desta segunda-feira (11), ela afirmou que já há convicção entre os vários órgãos que participam das apurações de que foi um crime doloso, já que havia conhecimento desde 2017 sobre a situação da barragem e nada foi feito.

"Nenhuma providência prática foi tomada. Nem o Plano de Ação Emergencial, que não teria evitado o rompimento, mas teria evitado a catástrofe humana, foi adotado", disse, lembrando que há informações sobre uma tentativa de se resolver o problema, mas que não deu certo e foi abandonada. "Tudo indica que eles teriam que parar a produção e ficou-se sempre buscando uma solução que evitasse parar a operação", completou.

Segundo a promotora, cerca de 18 pessoas estão sendo investigadas, mas a Força-Tarefa não iniciou ainda a tipificação de todos os crimes associados ao rompimento da estrutura. O presidente afastado da companhia, Fábio Schvartsman, também não foi ouvido ainda.

"Essa investigação é um quebra-cabeça de milhões de peças e todas as peças têm se mostrado importantes. Há um conjunto de provas que está permitindo que a gente já faça algumas conclusões", disse, frisando que a tipificação legal pode levar o grupo a apontar crimes contra a fauna, a flora, além das mortes.

Para a promotora, não se pode atribuir a culpa à empresa. "A Vale é uma pessoa jurídica. O que a gente vê é que os funcionários que lidavam ali no dia a dia, principalmente aqueles que tiveram mandado de busca e apreensão, não fizeram nada", completou. "É mais que omissão isso. É uma omissão muito sabida. Eles tinham consciência que existia um risco", disse.

Posicionamento

Em posicionamento enviado ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, sobre a entrevista da promotora de Justiça do Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG), Paula Ayres Lima, a Vale "reitera que nenhum depoimento de funcionário indica conhecimento prévio de cenário de risco iminente de ruptura da barragem".

De acordo com a empresa, "as questões apontadas nas auditorias vinham sendo atendidas sob a orientação das próprias empresas de auditoria. Depoimentos dos empregados da Vale também refutam qualquer pressão para concessão da declaração de estabilidade da barragem."