Gazeta Digital Ouro em Lima, basquete feminino terá vida difícil até Tóquio 2020

Ouro em Lima, basquete feminino terá vida difícil até Tóquio 2020

Basquete feminino

Basquete feminino

Gazeta Digital

Após 28 anos, o basquete feminino brasileiro voltou ao lugar mais alto do pódio. Nos Jogos Pan-Americanos Lima 2019, o Brasil bateu as norte americanas, favoritas ao título, por 79 a 73 e levou a medalha de ouro. A última conquista brasileira teve palco em Havana 1991, com o comando de nomes que marcaram época, como Hortência e Magic Paula.

A atual safra mescla nomes promissores, com alguns já consolidados, como Erika, de 37 anos. Após o título em Lima 2019, a veterana chegou a afirmar que pensa em adiar sua aposentadoria, já que as perspectivas de disputar os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 são, mais do que nunca, reais.

Leia também - Brasil bate recorde de medalhas e fecha Pan em 2º após 56 anos

No entanto, a conquista histórica em Lima 2019 não garante vaga direta para Tóquio 2020, como acontece em esportes como tênis de mesa, handebol, vela e tênis.

Para conseguir a vaga olímpica as brasileiras não terão vida fácil. O caminho rumo às Olimpíadas começa em setembro, na disputa da AmeriCup. Das dez seleções que competem no torneio, o Brasil precisa ficar pelo menos entre as oito melhores, para que consiga se classificar para o pré-olímpico intercontinental.

Serão quatro torneios pré-olímpicos, com quatro times em cada um: 16 seleções estarão na briga, sendo duas da África, quatro das Américas, quatro da Ásia/Oceania e seis da Europa. Dois pré-olímpicos darão três vagas e outros dois darão duas vagas cada um.

Para isso, o Brasil conta com ótimos nomes na seleção. Entre elas está Taina que foi a destaque brasileira da final contra os Estados Unidos. Ela foi uma das melhores da competição e no jogo que valia a medalha de ouro anotou 24 pontos, sete rebotes e três assistências.

Além dos destaques em quadra, o Brasil também conta com José Neto, que foi multicampeão com o time masculino do Flamengo e estava desempregado depois de sair de um trabalho no Japão. Nas mãos dele o elenco mudou pouco, mas de forma significativa. Além de Tainá, ganharam espaço principalmente a ala Raphaella Monteiro, que fez 12 pontos na final e a pivô Clarissa, que anotou os mesmos 12 pontos na decisão.

Mas o grande mérito de Neto foi construir na seleção brasileira uma verdadeira família. A união do grupo era visível a cada ponto conquistado e a cada vitória suada. Os números de cada jogo mostraram isso, com o coletivo sobressaindo sobre as individualidades.

O caminho é longo, mas a conquista da medalha de ouro em Lima 2019 traz ares de esperança para uma seleção que, por tanto tempo, foi largada ao esquecimento. Nesse momento de euforia, é protocolar que se pregue a cautela e sejam mantidos os pés no chão. Mas um leve toque de exagero também é aceitável. E sonhar é necessário.