Homem preso por estuprar sobrinha no ES possui histórico de crimes

Criada pelos avós em cidade do Espírito Santo, garota de dez anos vivia contexto de dificuldade social, com a mãe já falecida e o pai preso

O homem preso na madrugada desta terça-feira (18), em Betim (MG), sob acusação de ter estuprado e engravidado a sobrinha de 10 anos já possuía histórico de crimes antes do caso de abuso sexual contra a menor de idade.

Segundo informou a Polícia Civil em coletiva de imprensa nesta terça, ele foi preso por associação ao tráfico de entorpecentes e posse ilegal de arma de fogo. Em 2014, foi posto em liberdade para uma ‘saidinha’ e não retornou ao presídio, mas no ano seguinte a polícia o recapturou. No entanto, em 2018 foi solto novamente após concessão de um alvará.

Agora, responderá pelo crime de estupro de vulnerável, cuja pena vai de 8 a 15 anos. Com qualificadores, como o fato de ser tio da criança, seu tempo de reclusão poderá ser ainda maior.

Ainda de acordo com a polícia, a garota passa por um contexto de dificuldade social: com a mãe já falecida e o pai preso, ela é criada pelos avós, que são ambulantes em uma praia de uma cidade de interior no Espírito Santo. Os delegados responsáveis informaram que o estado capixaba está desenvolvendo uma equipe disciplinar que vai acompanhar e cuidar da criança.

Tio da garota já havia sido preso em 2014

Tio da garota já havia sido preso em 2014

Divulgação

Em Recife, capital de Pernambuco, após decisão do juiz Antonio Moreira Fernandes, da Vara da Infância e da Juventude do município onde ela mora, a garota teve a interrupção de sua gestação de cinco meses realizada com sucesso.

Divulgação de nome da criança é crime

Durante o último final de semana, o nome da criança e outras informações sobre o local onde vive foram amplamente divulgados nas redes sociais, bem como o nome e os detalhes sobre o seu tio.

Segundo a polícia, o setor de crimes cibernéticos irá apurar as publicações com informações a respeito da criança e do tio. Quem as divulgou responderá criminalmente.