Cidades Justiça nega liberdade a vereadores de Mogi das Cruzes

Justiça nega liberdade a vereadores de Mogi das Cruzes

Alvos da Operação Legis Easy, Antonio Lino (PSD-SP) e Mauro Araújo (MDB-SP) são acusados por supostos crimes de corrupção

Agência Estado
MP apura compra de apoio para aprovação de emendas

MP apura compra de apoio para aprovação de emendas

Divulgação/ Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes

O TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) negou dois pedidos de soltura apresentados pelos vereadores Antonio Lino (PSD-SP) e Mauro Araújo (MDB-SP) de Mogi das Cruzes, município a leste da Grande São Paulo, que tiveram a prisão preventiva decretada nesta sexta-feira (4), na Operação Legis Easy.

As duas decisões foram proferidas neste sábado por desembargadores de plantão, que alegaram não ver irregularidades nas decisões que determinaram a prisão preventiva dos parlamentares.

As investigações apuram supostos crimes de corrupção, organização criminosa e lavagem de dinheiro envolvendo a Câmara Municipal de Mogi das Cruzes e contratos da Secretaria de Saúde e do Serviço Municipal de Águas e Esgotos.

Entre os parlamentares que foram alvo das ordens preventivas estão: Carlos Evaristo da Silva (PSB), Diego de Amorim Martins (MDB), Francisco Moacir Bezerra (PSB), Jean Lopes (PL) e Mauro Araújo (MDB). Também foram presos Carlos César Claudino de Araújo (irmão de Mauro Araújo), Willian Casanova e Joel Leonel Zeferino, da construção civil.

De acordo com o Ministério Público de São Paulo, os empresários compravam apoio para aprovar leis encomendadas por eles. A Promotoria indicou ainda que companhias do vereador Mauro Araújo de seu irmão e do ex-assessor Willian Casanova seriam usadas para lavar dinheiro.

Outro lado

A reportagem busca contato com a defesa dos investigados. O espaço está aberto a manifestações.

Últimas