Cidades No PR, 17 policiais se recusam a fazer cerco a professores e são presos

No PR, 17 policiais se recusam a fazer cerco a professores e são presos

Professores entraram em confronto com a polícia depois de serem impedidos de entrar na Alep

No PR, 17 policiais se recusam a fazer cerco a professores e são presos

Professores saíram feridos de protesto contra medidas do governo

Professores saíram feridos de protesto contra medidas do governo

Giuliano Gomes/ Estadão Conteúdo

A Polícia Militar de Curitiba informou que 17 policiais foram presos nesta quarta-feira (29), por se recusarem a participar do cerco aos professores que estavam nas proximidades da Alep (Assembleia Legislativa do Paraná) para acompanhar a votação do projeto que autoriza o governo estadual a mexer no fundo de previdência dos servidores do Estado. A Alep alegava ter recebido uma liminar da Justiça que garantia o veto a entrada de pessoas para acompanhar a votação.

Na tarde desta quarta-feira, um novo confronto entre a Polícia Militar e professores deixou cerca de 150 pessoas (a maioria professores) feridas, segundo o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Algumas delas estão em estado grave.

A Tropa de Choque fazia um cerco ao prédio Alep, quando o conflito começou e os manifestantes foram agredidos. Um dos líderes sindicais ligado aos professores disse que o projeto seria votado, independentemente dos protestos contrários e, então, a PM teria avançado em direção aos manifestantes. Tiros de bala de borracha e bombas de gás lacrimogêneo foram lançados. Lideranças que estavam sobre um caminhão, no Centro Cívico, passaram a pedir ambulâncias para cuidar das pessoas feridas.

Um professor identificado como Davi disse que levou três tiros de bala de borracha e outras pessoas, segundo ele, chegaram a levar até seis de tiros. Os feridos foram levados para o subsolo do prédio da Prefeitura de Curitiba, que foi transformado em uma espécie de "ambulatório".

Servidores públicos voltam às ruas no Paraná contra mudanças na previdência

Entre os feridos estão também o cinegrafista Rafael Passos da CATVE, que foi atingido por uma bala de borracha, e um cinegrafista da Band, atacado por cachorros dos policiais. O comando da polícia informou que 20 soldados se feriram e dez pessoas foram detidas, sendo sete líderes sindicais ligados aos professores.