Cidades Para 86% dos brasileiros, medo de ter celular roubado supera temor por roubo da carteira

Para 86% dos brasileiros, medo de ter celular roubado supera temor por roubo da carteira

Com tecnologia e informações financeiras no aparelho, perspectiva mudou. Pesquisador diz que temor passa por toda a sociedade

  • Cidades | Do R7

Reprodução / Record TV

Quase nove em cada dez brasileiros (86%) sentem mais medo de ter o celular roubado do que a carteira, segundo pesquisa do Instituto Locomotiva/Banco24Horas.

A mudança de perspectiva está vinculada ao avanço da tecnologia. Com as informações financeiras e aplicativos de bancos no celular, as pessoas passaram a temer mais a perda do aparelho. 

João Paulo de Resende, diretor da pesquisa, afirma que esse temor não possui exceções: está em todas as camadas da sociedade brasileira. 

“Entre todas as classes econômicas, todas as regiões, gênero, idade... esse medo dos golpes vinculados ao celular é generalizado na sociedade”, diz Resende. 

O estudo indicou que o medo é um pouco mais comum entre a população mais abastada: 92% entre as pessoas das classes A e B, e 79% entre as classes D e E.

Diante de oito cenários em que seriam vítimas de crimes e perguntados sobre quais temeriam mais, 23% dos respondentes afirmaram “ter o celular roubado e o dinheiro retirado em transferências via Pix”.

“Ser forçado a fazer transferências via Pix” (15%) e “ser vítima de um golpe ou fraude financeira que utilize o Pix para retirar dinheiro da sua conta” (13%) aparecem na sequência.

Reprodução/Instituto Locomotiva

Convivência entre meios físicos e digitais

O trabalho também revelou que 63% dos entrevistados usam dinheiro para fazer seus pagamentos. Para os pesquisadores, observa-se, portanto, uma convivência harmoniosa entre os meios digitais e físicos. 

“Os brasileiros percebem as diferentes tecnologias de pagamento como complementares, então o celular tem um espaço importante, mas o dinheiro continua com um peso relevante na vida dos brasileiros, sobretudo daqueles de menor renda”, avalia João Paulo de Resende. 

Questionados sobe o motivo de preferirem usar o dinheiro, as principais motivações foram: "Há lugares que só aceitam dinheiro" (20%), "Estou acostumado a utilizar dinheiro" (16%) e "Pagando em dinheiro, é possível ter descontos" (15%).

Devido à dimensão continental e à população heterogênea, o Brasil apresenta padrões de comportamento diversos, a depender da região, segundo Marcos Mazzi, gerente-executivo do Banco24Horas.

“Uma pessoa no interior da região Norte do país não tem o mesmo comportamento nem a mesma disponibilidade de recursos que uma pessoa que vive em um grande centro urbano, por exemplo. Precisamos deixar à disposição das pessoas as soluções em diferentes formatos para que elas possam utilizar dentro de suas realidades e contextos”, pondera Mazzi.

Levantamento

A pesquisa do Instituto Locomotiva/Banco24Horas foi realizada de forma online.

Responderam ao levantamento 1.182 pessoas de todas as regiões do Brasil.

Últimas