Profissionais rebatem mitos sobre profissão de detetive

Diferença entre os termos "detetive" e "investigador" divide opiniões de quem trabalha no ramo

Lupa é um dos itens no imaginário das pessoas sobre os detetives

Lupa é um dos itens no imaginário das pessoas sobre os detetives

Dida Sampaio/20.04.2011/Estadão Conteúdo

Consta no imaginário popular que o detetive é aquela pessoa que utiliza casaco xadrez e tem como principal ferramenta de trabalho a lupa, um traje típico dos desenhos e filmes. O serviço é, no entanto, coisa séria e movimenta um grande mercado.  

O investigador Fabrício Ruiz Dias diz que essa ideia é a apenas um mito e defende a importância da investigação.  

— Já está se desmistificando muito a ideia de que um detetive é um sujeito atrapalhado, que mora em uma quitinete e com um gato que dorme o dia inteiro. Hoje em dia isso não é mais assim. Você tem um detetive hoje com um papel fundamental na sociedade, em relação a diversos tipos de investigação.

A visão é compartilhada por Rosangela Cruz, uma das investigadoras da empresa Sewell Investigações e Perícias.

— Eu me vestir de faxineira é muita história. Nós não fazemos isso. A pessoa que está sendo investigada não nos conhece, então não preciso me fantasiar. A gente usa a inteligência e não o disfarce.

Nomenclatura

Um detalhe que também pode passar despercebido é o próprio nome da profissão. Para alguns, o termo detetive e investigador são utilizados como sinônimo. Patrício Sewell, dono da empresa de investigações que leva sobrenome da família, afirma, no entanto, que esta é uma prática errada e que os termos têm diferença.

— Aqui no Brasil, detetive é uma coisa e investigador é outra. Embora no dicionário apareça que são sinônimos, é bastante diferente. O detetive vem de "detectare" [descobrir, detectar, em Latim]. Ou seja, qualquer um pode ser detetive, inclusive um policial militar, pois ele detecta um fato, se coloca em conhecimento da Justiça e aí entra o trabalho do investigador para levar a fundo a investigação [...]  O detetive particular até pode, mas não tem condições de elaborar um laudo, um relatório, por exemplo.  

Leia mais notícias de São Paulo

Para Dias, os termos também apresentam diferenças, mas em quesitos distintos, como a área de atuação, por exemplo.  

— O que muda, na realidade, não é a classificação entre detetive e investigador. Existe a diferença entre detetive particular e investigador particular. Existe detetive policial e investigador de polícia.

O detetive diz ainda que o termo muda também de acordo com a região do País.  

— No Rio de Janeiro, por exemplo, o termo detetive usa-se para investigador de polícia. Então se você chegar no Rio e disser que você é detetive, a população vai analisar que você faz parte de um órgão governamental.

O presidente da FBI  (Federação Brasileira de Investigações), Evódio Eloísio de Souza, afirma, no entanto, que na COB (Classificação Brasileira de Ocupações), investigador particular e detive particular são a mesma coisa, ou seja, sinônimos.

O COB a que Souza se refere é o da ocupação “detetive profissional”. No cadastro, os títulos de “detetive particular” e “investigador particular” aparecem como termos iguais.  

Seja detetive ou investigador, Dias conclui que, apesar das diferenças, o trabalho da apuração vai além do simples ato de ir atrás de pistas e dados.  

— O principal da investigação é a paciência. Você também tem que ter um pouco de psicologia, para você conversar com o seu cliente, saber abordar o assunto. Tem que tomar cuidado com o que você vai falar e que prova você vai apresentar.

*Colaborou Thiago Pássaro, estagiário do R7