Cidades Relacionamento virtual: 1 em cada 4 brasileiros já foi vítima de perfis falsos, diz levantamento

Relacionamento virtual: 1 em cada 4 brasileiros já foi vítima de perfis falsos, diz levantamento

São diversos tipos de golpe praticados em apps de namoro e nas redes sociais. Vejas dicas para não se expor

  • Cidades | Gabriel Croquer, do R7

Segundo pesquisa, 34,38% afirmaram que já se relacionaram com alguém na internet

Segundo pesquisa, 34,38% afirmaram que já se relacionaram com alguém na internet

Reprodução/TecMundo

Dentro dos sites, redes sociais e aplicativos de namoro, pelo menos 1 em cada 4 brasileiros já foi vítima de golpes virtuais de perfis falsos. A informação é de um levantamento da PSafe, empresa de segurança digital, que ouviu 10.755 usuários de um de seus aplicativos entre fevereiro e março de 2022.

Com base nas respostas, a empresa fez as projeções do número de brasileiros afetados por meio de dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) sobre os usuários do sistema Android no país (131,1 milhões). 

Os resultados mostraram que entre os entrevistados 34,38% afirmaram que já se relacionaram com alguém que conheceram na internet. Desses, 25,5% das pessoas tiveram alguma perda financeira em decorrência do relacionamento falso. 

“Os principais aplicativos que sofrem esses ataques são Facebook, Instagram e Tinder. E aí está o perigo, porque essas são algumas das principais redes em que as pessoas se relacionam”, explica o executivo-chefe de Segurança da PSafe, Emilio Simoni.

A diversidade dos aplicativos se repete nos tipos de golpe praticados no ambiente virtual, que em geral dependem de fakes para ter sucesso: pedidos de transferência por produtos inexistentes, encontros para a prática de sequestros e assaltos, estelionato emocional e extorsão por fotos íntimas.

Conforme mostrou reportagem do R7,  a percepção de advogados, policiais e especialistas da área é que as denúncias de golpes em apps de namoro explodiram nos últimos meses e que o isolamento social da pandemia de Covid-19 contribuiu para o aumento. 

O delegado titular da 3ª DCCiber (Divisão de Crimes Cibernéticos) da Polícia Civil de São Paulo, Carlos Ruiz, afirma que os golpes de comércio com perfis falsos em redes sociais são os mais comuns entre essas contravenções, seguidos daqueles praticados em aplicativos de relacionamentos. 

"As pessoas que vão ali adquirir um celular que está a um preço 'X' e ali está muito mais barato, acabam pagando boletos e não recebem o produto. Uma das dicas é procurar as lojas oficiais, os aplicativos de 'magazines' ou mesmo fisicamente na loja", diz. 

O advogado especialista em direito digital Marco Antônio Araújo Júnior explica que a punição para golpes com perfis falsos já é prevista no artigo 307 do Código Penal, além das penas pelos crimes que costumam acompanhar práticas como extorsão, estelionato e crime contra a honra. O trecho da lei determina detenção de até um ano para quem "atribuir-se ou atribuir a terceiro falsa identidade para obter vantagem, em proveito próprio ou alheio, ou para causar dano a outrem".

Ele ressalta que a tipificação de crimes virtuais ainda é recente, mas já surte efeito em processos judiciais. "Temos poucas leis específicas [da internet], mas temos visto muitos casos com agravantes do furto qualificado e também no estelionato qualificado quando praticado por meio eletrônico", comenta. 

Entre outros trechos da legislação brasileira que punem práticas virtuais, Araújo Júnior cita a Lei Carolina Dieckmann — que torna crime a invasão de computadores e o roubo de senhas — e o crime de "perseguição obsessiva" (ou stalking) na internet, novidades que surgiram nos últimos anos após a popularização da tecnologia.  

Existe uma série de recomendações para evitar ser vítima de golpes virtuais. Antes de entrar no relacionamento, especialistas recomendam que se verifique o perfil da pessoa em diversas redes sociais. Pessoas com poucas informações, apenas uma foto ou poucos amigos e seguidores podem indicar um alerta.

Também é importante desconfiar das fotos do perfil e da sua resistência em fazer uma chamada de vídeo. Esses dois pontos foram os principais motivos pelos quais os entrevistados de pesquisa da PSafe descobriram golpes virtuais.

Mesmo que a pessoa preencha os requisitos e pareça ser segura, é importante sempre marcar os primeiros encontros em locais públicos e movimentados, com familiares e amigos avisados. Em São Paulo, a falta desses cuidados acabou com a morte de dois homens em menos de um mês, que dirigiram à noite até bairros vazios da capital paulista no que seria um encontro por aplicativo de relacionamento. Ao chegar ao local, foram surpreendidos com uma tentativa de assalto e baleados. 

O cuidado também vale para transferência de valores e bancários, já que alguns golpistas mais especializados chegam até a manter relacionamentos com as vítimas. Depois de conquistar a confiança dos alvos, os criminosos simulam situações de recompensa ou emergência para extorquir dinheiro.         

Últimas