Cidades Repórter sofre ataques após deputada divulgar fake news

Repórter sofre ataques após deputada divulgar fake news

Carla Zambelli (PSL-SP) publicou vídeo com informações falsas nas redes sociais; a jornalista Marla Bermudes passou a ser atacada

  • Cidades | Kaique Dalapola, do R7

Deputada compartilhou vídeo com 'fake news'

Deputada compartilhou vídeo com 'fake news'

Reprodução

A repórter Marla Bermudes, da TV Vitória, afiliada da Record TV no Espírito Santo, sofreu ataques nas redes sociais após um vídeo com informações falsas ser compartilhado nas redes sociais, inclusive pela deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), na quarta-feira (31).

No vídeo falso, um homem grava a equipe da TV fazendo imagens de dentro de um cemitério em Vila Velha (ES), e diz que "na hora que eles botarem na televisão, vou postar e falar que é mentira", sem sequer saber qual reportagem estava sendo gravada.

De acordo com Marla, a equipe havia recebido uma denúncia do sindicato dos coveiros de que os profissionais estavam trabalhando nos cemitérios sem os devidos equipamentos de segurança. A reportagem decidiu gravar a rotina de uma coveira que trabalha no Cemitério Municipal da Barra do Jucu.

No local, a jornalista entrevistou a profissional que seria retratada na reportagem e o cinegrafista da TV gravou as chamadas imagens de apoio — que são os vídeos usados para ilustrar. Em uma dessas imagens, a coveira jogou terra em uma das covas que ficam abertas no cemitério como determinação da administração, devido à pandemia, sem nenhuma interferência ou pedido da equipe da TV.

A fake news sobre o trabalho da TV Vitória foi reforçada com a publicação de Zambelli, que disse que "além da manipulação, é um desrespeito inadmissível pelos mortos que ali estão sepultados", e afirmou ainda, em publicação nas redes sociais, que "cemitérios não são estúdios de gravação".

Por meio de nota, a Rede Vitória de Comunicação disse que o vídeo gravado pelo homem e compartilhado por Zambielli "descontextualiza o momento, deturpa o fato e cria uma narrativa mentirosa". A empresa disse que "tomará todas as medidas cabíveis, seja fortalecendo a transparência, seja via judicial contra a produção e o compartilhamento deste ataque virtual criminoso".

A reportagem do R7 tentou localizar a deputada por telefone e e-mail, mas não obteve contato. O espaço está aberto para manifestação e será adicionado assim que houver resposta.

Últimas