Cidades Secretária relata muito sangue em creche de SC: 'Cena de terror' 

Secretária relata muito sangue em creche de SC: 'Cena de terror' 

Ataque ocorreu na manhã desta terça (4) em  Saudades (SC). Duas professoras e três crianças morreram; assassino foi hospitalizado

  • Cidades | Fabíola Perez, do R7

Resumindo a Notícia

  • Duas professoras e três crianças morreram após invasão de assassino com facão
  • Pais estão em choque em hospital, segundo funcionário da prefeitura
  • Agressor tentou se matar e foi hospitalizado
Adolescente de 18 anos invade creche e mata ao menos cinco pessoas

Adolescente de 18 anos invade creche e mata ao menos cinco pessoas

Reprodução/Record TV

A secretária de Educação de Saudades (SC), Gisela Hermann, disse ao R7 que no momento da invasão do jovem na manhã desta terça-feira (4) com uma faca à creche Pró-Infância Aquarela, cerca de 30 pessoas estavam no local. Duas professoras e três crianças foram mortas.

Gisela relata que, assim que soube da notícia, foi uma das primeiras pessoas a chegar no local. "Muito sangue. É uma cena de terror, de horror... fiquei muito abalada", afirmou a secretária à reportagem.

Segundo um funcionário da prefeitura, "os pais estão em choque no hospital". A informação do ataque foi confirmada pela Polícia Militar de Chapecó e pela Secretaria Municipal de Educação do município.

O ataque ocorreu na Escola Infantil e Berçário Pró-Infância Aquarela que atende alunos de seis meses a dois anos de idade. As crianças que morreram no ataque foram: Sarah Luiza Mahle Sehn, de 1 ano e 7 meses, Murilo Massing, de 1 ano e 9 meses, e Anna Bela Fernandes de Barros, de 1 ano e 8 meses.

Segundo os bombeiros, uma professora morreu no local e outra chegou a ser levada ao Hospital Regional do Oeste, de Chapecó, em estado grave, mas não resistiu. O autor do ataque tentou suicídio, ficou gravemente ferido e foi conduzido ao município de Pinhalzinho, a 11 km do município de Saudades. Ele recebe atendimento sob escolta policial. 

De acordo com a administração municipal, um espaço está sendo montado para oferecer atendimento psicológico aos pais e familiares das vítimas. A equipe de profissionais será composta por pelo menos seis psicólogos. No primeiro momento, o atendimento deve ser oferecido por 24 horas.

Últimas