Cidades Segundo preso em ação da PF era um de 30 mais procurados da Itália

Segundo preso em ação da PF era um de 30 mais procurados da Itália

Prisões de Vincenzo Pasquino e Rocco Morabito foram celebradas pela ministra do Interior da Itália, Luciana Lamorgese

  • Cidades | Do R7, com informações da Ansa

'Partiremos para outras etapas dessa investigação', afirmou delegado da PF

'Partiremos para outras etapas dessa investigação', afirmou delegado da PF

Reprodução

O italiano Vincenzo Pasquino, também detido durante a operação que prendeu Rocco Morabito, um dos líderes da máfia italiana 'Ndrangheta, também pertencia à facção e era um dos 30 italianos foragidos mais procurados pela Itália, informou a Polícia Federal durante coletiva de imprensa nesta terça-feira (25).

As prisões de Pasquino e Morabito foram comemoradas pela ministra do Interior da Itália, Luciana Lamorgese.

“Mais uma vez, a determinação, a dedicação e o profissionalismo de todos os investigadores envolvidos permitiram garantir a justiça, depois de dois anos de complexas e articuladas investigações”, escreveu a ministra.

Na coletiva, o delegado da Polícia Federal, Luiz Ungaretti, destacou que a cooperação entre as polícias brasileira e italiana foi determinante para localizar e deter os criminosos.

“Agora, partiremos para outras etapas dessa investigação na busca de capitais ativos [da facção]”, afirmou Ungaretti.

‘O rei da cocaína de Milão’

Morabito foi preso nesta segunda

Morabito foi preso nesta segunda

Polícia da Itália via EFE

Conhecido como “o rei da cocaína de Milão”, Morabito foi encontrado e detido pela Polícia Federal no quarto de um hotel na capital da Paraíba, junto de outros dois estrangeiros, informou o Ministério da Justiça e Segurança Pública.

A ação contou com participação da polícia italiana e também do FBI e a DEA, órgãos dos Estados Unidos. O mandado de prisão do italiano foi expedido no Brasil pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Considerado o segundo criminoso mais procurado da Itália, Morabito é acusado de ser o comandante da logística de exportação de cocaína de São Paulo (SP) a Milão, na Itália.

No Brasil, o mafioso era o responsável pelas negociações de cocaína entre a 'Ndrangheta e a facção paulista PCC (Primeiro Comando da Capital).

Morabito chegou a ser preso no Uruguai em 2017, depois de 23 anos foragido da Justiça, mas escapou dois anos depois, prestes a ser extraditado.

Desde então, considerando a hipótese de que estivesse vindo ao Brasil, a Polícia Federal integrou as investigações na busca pelo italiano. Os investigadores consideram que, antes de chegar à Paraíba, ele tenha passado pelos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

Após a prisão desta segunda em João Pessoa (PB), ele seguirá custodiado durante o tramite do processo de extradição ao seu país.

Últimas