Adiamento do IR: veja as vantagens de entregar a declaração antes

Prazo final para a entrega da declaração do Imposto de Renda de Pessoa Física foi adiado para o dia 30 de junho, mas não deve ficar para última hora

Receita adia prazo final da entrega da declaração do IRPF

Receita adia prazo final da entrega da declaração do IRPF

Marcello Casal Jr / Agência Brasil / CP

A Receita Federal adiou o prazo final de entrega da declaração do IRPF (Imposto de Renda de Pessoa Física) para o dia 30 de junho, devido à pandemia do coronavírus. Contudo, a entrega antecipada pode garantir uma renda extra em meio à crise e ainda beneficiar aqueles que podem sofrer redução no salário.  

Leia mais: Veja como declarar seu Imposto de Renda pela primeira vez em 7 passos

Mas, mesmo com o adiamento do prazo, a recomendação é que o contribuinte prepare a declaração o quanto antes, porque pode facilitar a correção de eventuais erros e ainda adiantar um dinheiro extra para o contribuinte. É o que recomenda o especialista Richard Domingos, diretor executivo da Confirp Consultoria Contábil.

"O alongamento de prazo é importante, mas é fundamental que o contribuinte preencha esse documento o quanto antes, mesmo que faltem documentos. Isso evita erros que possam levar para a malha fina. Já a entrega pode ser feita de forma estratégica para o contribuinte", avalia Domingos.

Domingos comenta que a maior parte dos documentos necessários para fazer a declaração já está liberada. "Informes de rendimentos e informes de pagamentos deveriam ter sido liberados e enviados até o dia 28 de fevereiro", destaca. 

O restante são documentos que os contruibuintes devem ter em casa, como, por exemplo, registro de compra e venda de imóveis, DUT (Documento Único de Transferência de Veículos), notas ficais de escola, médicos, entre outros.

"A ideia é fazer o quanto antes os pedidos de documentos que o contribuinte não possui, já que os estabelecimentos estão operando com horário reduzido e é possível encontrar alguma demora nestes atendimentos, nos cartórios, por exemplo", recomenda Domingos. 

Dinheiro extra

Para aqueles contribuintes que possuem a restituição do IR, o dinheiro pode vir em um momento muito oportuno, já que as datas para a devolução dos valores não foram alteradas. Assim, quanto antes for entregue a declaração, maiores são as chances de entrar nos primeiros lotes da restituição.

"Com a possibilidade da redução de jornadas e salários, determinada pela MP publicada na última quarta-feira (1º), estes valores podem ajudar aqueles afetados neste momento", indica Domingos. Além disso, existem linhas de crédito que antecipam estes valores.

Para aqueles contribuintes que precisarão pagar o imposto, também é ideal se antecipar. Porque ainda que o prazo final tenha sido adiado, os pagamentos não foram, e, pior, podem acumular em junho. "O primeiro pagamento deverá ser feito no dia 10 de junho, já a segunda cota deverá ser paga entre os dias 11 e 30 de junho", reforça o especialista.

Outro ponto importante destacado por Domingos é a possibilidade daqueles que possuem rendimentos acima de R$ 200 mil fazerem a entrega da declaração sem o recibo do ano anterior.

Para o diretor, a decisão mostrou o bom senso da Receita Federal. "O governo está auxiliando os contribuintes nesse momento de grande dificuldade. O adiamento foi o mais prudente", avalia o diretor da Confirp.

Entrega nos últimos dias

Aqueles contribuintes que possuem reservas e não estão precisando de dinheiro agora, existe uma certa vantagem em esperar um pouco. "Quem tem que pagar para a Receita valores de impostos terá como melhor planejar o caixa para esse pagamento, pois postergará o prazo", pondera.

"Nos últimos lotes gera uma correção monetária muito maior que a maioria das aplicações financeiras pagariam (taxa Selic), e detalhe, sem incidência de imposto de renda sobre o rendimento obtido", finaliza Richard Domingos.