Economia Alta dos juros para conter a inflação ameaça crescimento econômico

Alta dos juros para conter a inflação ameaça crescimento econômico

Disparada de 11,75 pontos percentuais da taxa Selic desestimula o consumo, freia produção e já se reflete nas previsões de crescimento do PIB em 2023

  • Economia | Alexandre Garcia, do R7

Taxa básica de juros figura no maior patamar desde 2017

Taxa básica de juros figura no maior patamar desde 2017

Adriano Machado/Reuters - 29.10.2019

A trajetória que levou a taxa básica de juros ao maior patamar dos últimos seis anos para segurar o avanço da inflação pode ter um efeito perverso no desempenho da economia brasileira. O movimento ocorre com o menor estímulo para as famílias consumirem e já se reflete nas expectativas de crescimento para 2023.

Desde março do ano passado, a taxa Selic disparou 11,75 pontos percentuais — de 2% para 13,75% ao ano. O ciclo pode ainda não ter chegado ao fim, e parte dos analistas do mercado financeiro e o próprio Copom (Comitê de Política Monetária) já admitem um novo ajuste dos juros em 0,25 ponto percentual na reunião de setembro.

"O Comitê avaliará a necessidade de um ajuste residual, de menor magnitude, em sua próxima reunião. O Copom enfatiza que seguirá vigilante e que os passos futuros da política monetária poderão ser ajustados para assegurar a convergência da inflação para suas metas", ressalta o documento em que a nova alta dos juros foi comunicada.

Para Vitor Nery, analista de renda fixa da Blue3 Investimentos, um novo ajuste da taxa básica de juros para o patamar de 14% ao ano terá um efeito pequeno perto do impacto já causado pela política monetária contracionista desde março do ano passado.

Nery explica que existe agora a necessidade de observar o período de manutenção dos juros em alta, o que representa um "freio forte" para o desenvolvimento da atividade econômica. "Embora consiga reduzir a inflação, uma taxa Selic elevada, se prolongada por muito tempo, causa atraso econômico e impacta fortemente o PIB", afirma.

Indústria segue abaixo do nível pré-pandemia

Indústria segue abaixo do nível pré-pandemia

Pixabay

Com o possível cenário de manutenção da Selic em um nível elevado por um período prolongado, o mercado financeiro começou a derrubar a expectativa de alta do PIB (Produto Interno Bruto) — soma de todos os bens e serviços produzidos no país.

As avaliações levam em conta que os juros maiores tornam o dinheiro mais caro, encarecem o crédito, reduzem a disposição para consumir e estimulam novas opções de investimento pelas famílias. "As pessoas que desejam movimentar a roda da economia vão pensar duas vezes antes de tomar um empréstimo mais caro", ressalta Nery.

Ricardo Jorge, especialista em renda fixa e sócio da Quantzed, observa que o fim da trajetória de elevação da taxa Selic é aguardado na expectativa de reaquecimento da economia nos próximos anos.

"Como o mercado financeiro tenta antecipar os movimentos, a leitura é que o ciclo de alta dos juros se aproxima do fim e, se a inflação arrefecer, o BC vai poder reduzir a Selic. [...] Com o movimento de corte, existe a expectativa de um reaquecimento da economia, porque todo crédito fica facilitado para consumidores e empresários", prevê Jorge.

O movimento de alta dos juros já se reflete no desempenho do setor industrial, único dos grandes segmentos a figurar ainda abaixo do patamar de fevereiro de 2020, último mês sem medidas restritivas para conter o avanço da pandemia no Brasil.

"Novas altas da Selic, além de 13,75% ao ano, podem desestimular mais uma retomada de crescimento econômico. O setor industrial ainda sofre com o desarranjo da cadeia produtiva, principalmente insumos básicos", observa Fábio Astrauskas, economista e professor do Insper.

Últimas