Economia Após 40 anos, Panasonic vai deixar de fabricar TVs no Brasil

Após 40 anos, Panasonic vai deixar de fabricar TVs no Brasil

Empresa segue, cerca de um ano depois, a decisão da Sony; medida vai acarretar na demissão de 130 trabalhadores

Agência Estado
A fábrica da Panasonic vai deixar de produzir TVs no Brasil

A fábrica da Panasonic vai deixar de produzir TVs no Brasil

Stevie Marcus/Reuters

Há quatro décadas produzindo televisores na Zona Franca de Manaus (AM), a Panasonic vai deixar de fabricar esses aparelhos no Brasil. A linha de montagem será encerrada em dezembro. A subsidiária da Panasonic Corporation do Japão, que  iniciou as atividades no Brasil em 1967, mantém no país a produção de pilhas, eletrodomésticos da linha branca e forno de micro-ondas.

Segundo a companhia, o encerramento da produção de TV e áudio no Brasil segue a estratégia global, com foco na sustentabilidade do negócio. A empresa informa que manterá outras linhas de produtos, que estão ganhando investimentos expressivos.

Na unidade de Manaus, onde deixarão de ser produzidas as TVs, serão fabricados fornos de micro-ondas, produtos automotivos e componentes eletrônicos. Com o fim da fabricação de televisores, 130 trabalhadores serão demitidos até dezembro, 5% do efetivo total.

A empresa repete a decisão da concorrente japonesa Sony quase um ano depois. Esse movimento das companhias que atuam em nichos de mercado de TVs deixarem de produzir os aparelhos no país não surpreende especialistas. A tendência começou seis anos atrás com a holandesa Philips e depois foi engrossado pelas marcas japonesas.

Com a entrada maciça das fabricantes coreanas, como Samsung e LG, e chinesas nesse segmento, as margens de lucro foram achatadas e o ganho começou a vir da escala de produção. Com isso, outras companhias perderam competitividade.

Mercado

Como as marcas japonesas estão voltadas para produtos específicos para um consumidor de nicho, ficou mais difícil para essas fabricantes ganharem dinheiro com TVs, especialmente na venda para o grande varejo que dita preços. De olho na oportunidade deixada pela saída de algumas fabricantes, indústrias brasileiras – como Britânnia e Multilaser – estão entrando na fabricação de TVs.

A saída de mais uma companhia desse segmento promete acirrar a disputa entre as fabricantes, especialmente as nacionais que avançam no mercado. A companhia deve responder por 5% a 6% do faturamento da indústria, ou cerca de R$ 1 bilhão. É exatamente esse filão que muitas vão querer abocanhar. A expectativa do mercado é que as vendas de TVs atinjam 12 milhões de aparelhos este ano.

Últimas