Economia Após baixa adesão, Caixa abre novo programa de demissão voluntária

Após baixa adesão, Caixa abre novo programa de demissão voluntária

Associação dos funcionários do banco estatal afirma que reabertura do processo foi feita "sem nenhum planejamento"

Reuters
Apenas 2.300 funcionários aderiram ao programa inicial

Apenas 2.300 funcionários aderiram ao programa inicial

Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Caixa Econômica Federal anunciou nesta quinta-feira (3) que abriu inscrições para um novo programa de demissão voluntária, dias após uma iniciativa nessa direção ter tido adesão bem abaixo da esperada.

O prazo para os interessados em participar do novo PDV vai até sexta-feira da semana que vem (11), com o banco estatal ofertando compensação equivalente a 9,5 salários-base. No último programa, em novembro, o banco previa saída de 7.200 empregados, mas teve adesão de apenas 2.300, segundo dados da Fenae (Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal).

Leia mais: Trabalhador que adere ao PDV tem direito ao seguro-desemprego?

Em nota, o banco afirmou que a reabertura do programa foi feita "em atendimento ao pleito dos próprios funcionários da empresa que possuem os requisitos e necessitam de mais tempo para tomada de decisão". Já o presidente da Fenae, Sergio Takemoto, disse que a reabertura do PDV foi feita "sem nenhum planejamento".

"O que parece é que o único intuito foi pressionar os empregados a aderirem ao plano", disse Takemoto em comunicado, adicionando que funções comissionadas da Caixa foram congeladas como forma de direcionar os funcionários ao programa de desligamento.

Ainda segundo a Fenae, no começo desta semana a Caixa anunciou a desmobilização de cerca de 170 imóveis, que não terão os aluguéis renovados ou serão vendidos.

A Caixa, que chegou a ter 101 mil empregados em 2014, conta atualmente com cerca de 84 mil funcionários. Em fevereiro, pouco antes da pandemia, a Caixa preparava uma reformulação profunda de sua estrutura administrativa, que incluiria um PDV, a criação de centenas de superintendências menores e fechamento de agências.

Últimas