Economia Após morte de cão em voo, Latam suspende transporte de pets

Após morte de cão em voo, Latam suspende transporte de pets

Cão da raça american bully teria se asfixiado ao roer a caixa em que era transportado; companhia diz ter seguido protocolos

Agência Estado
Cão da raça american bully teria se asfixiado ao roer caixa de transporte

Cão da raça american bully teria se asfixiado ao roer caixa de transporte

Reprodução/Instagram

Um cão da raça american bully morreu ao ser transportado no porão pela companhia aérea Latam em um voo entre Guarulhos e Aracaju na última quinta-feira (14). A nutricionista Giulia Conte, irmã do dono do cachorro, contou o caso nas redes sociais e responsabilizou a empresa. O laudo mostra que o cachorro morreu por asfixia ao roer a caixa em que era transportado, mas a companhia afirma ter seguido os protocolos para transporte de animais.

Após o ocorrido, a Latam suspendeu a venda do transporte de pets no porão de suas aeronaves pelos próximos 30 dias no mercado brasileiro.

A nutricionista afirmou, nos stories de seu perfil no Instagram, ser "mais um caso de morte animal por causa da Latam". Em 14 de setembro último, um filhote de golden retriever morreu após embarcar em um voo de São Paulo com destino ao Rio de Janeiro.

O vídeo da nutricionista sobre o caso já tinha mais de 5 milhões de visualizações no Instagram até o fim da tarde desta segunda-feira. Ela afirma que a empresa exigiu que o cão fosse levado ao aeroporto pelo menos três horas antes do embarque e que ele foi levado às 8h para o voo, que partiria às 12h30 do aeroporto de Guarulhos rumo ao aeroporto de Aracaju. Desde a chegada ao local, o animal teria sido acomodado dentro da caixa em que seria transportado.

Área de carga da Latam

Área de carga da Latam

Reprodução/Instagram

Em nota, a empresa diz que o laudo emitido pela clínica veterinária que atendeu o cão mostra que ele roeu o suporte de madeira em que estava e se asfixiou, mas pontua que "o kennel estava em concordância com o processo de transporte de animais e de grande porte da Latam".

A tutora diz que foi alertada por pessoas próximas para não enviar o cão pela companhia, tendo em vista casos anteriores, e decidiu compartilhar o assunto nas redes sociais porque "pode ser que isso mude a forma como os animais são transportados e evite que isso aconteça com outros animais", declarou no Instagram.

A empresa ressalta, em nota, que "já vinha fazendo uma análise profunda de todos os procedimentos deste tipo de transporte, e neste lamentável evento cumpriu todos os processos de forma correta".

A nota da companhia:

"A LATAM Airlines Brasil está consternada com o ocorrido ao cão da raça American Bully, o Weiser, transportado na tarde de 14 de outubro de 2021, entre o aeroporto de Guarulhos - São Paulo para o aeroporto de Aracaju - Sergipe e que chegou ao destino em óbito.

Em laudo emitido pela clínica veterinária que atendeu o Weiser, foi observado que ele roeu o kennel de madeira em que estava e se asfixiou. O Kennel estava em concordância com o processo de transporte de animais e de grande porte da LATAM.

A LATAM já vinha fazendo uma análise profunda de todos os procedimentos deste tipo de transporte, e neste lamentável evento cumpriu todos os processos de forma correta. Diante deste cenário, a empresa decidiu neste momento suspender a venda para o transporte de PETS no porão das aeronaves nos 30 próximos dias para o mercado brasileiro. O cliente que já adquiriu o serviço em questão poderá seguir com o transporte de forma regular, postergar sem custo ou então optar pelo reembolso em nossos canais de atendimento.

A Latam está acompanhando o caso e segue à disposição para prestar toda a assistência aos tutores do cão."

Últimas