Economia Bancos renegociam quase R$ 16 bilhões em dívidas pelo Desenrola Brasil entre julho e setembro

Bancos renegociam quase R$ 16 bilhões em dívidas pelo Desenrola Brasil entre julho e setembro

Dados, calculados pela Febraban, se referem apenas aos débitos da Faixa 2 do programa e correspondem a 1,73 milhão de brasileiros

Desenrola Brasil já renegociou R$ 15,8 bi em dívidas

Desenrola Brasil já renegociou R$ 15,8 bi em dívidas

Divulgação / Manual do Desenrola Brasil

As renegociações de dívidas com bancos pelo programa Desenrola Brasil, que teve início em 17 de julho, movimentaram R$ 15,8 bilhões até o dia 29 de setembro, informou nesta segunda-feira (2) a Febraban (Federação Brasileira de Bancos). O montante se refere exclusivamente às dívidas das pessoas que estão na Faixa 2 do programa, que trataram de seus débitos diretos diretamente com as instituições financeiras. 

Nesse período, foram fechados 2,22 milhões de contratos de dívidas negociados, beneficiando um universo de 1,73 milhão de clientes bancários.

Na Faixa 2 estão pessoas físicas com renda acima de dois salários míninos (R$ 2.640) e até R$ 20 mil, que têm dívidas em banco sem limite de valor. Elas entram em contato com as instituições por meio de seus canais de atendimento a clientes, e avaliam as condições, que mudam de acordo com cada empresa.

Compartilhe esta notícia no Whatsapp
Compartilhe esta notícia no Telegram

As renegociações da Fase 1, voltadas a cidadãos que ganham até dois salários mínimos ou que estejam inscritos no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais do governo federal) e tenham dívidas de até R$ 5.000, terão início na próxima segunda-feira (9).

“A cada semana, o programa Desenrola comprova ser instrumento importante na renegociação de dívidas bancárias, que beneficia as famílias brasileiras e, ao mesmo tempo, a economia brasileira como um todo, ao reduzir as dívidas da maior quantidade possível de pessoas”, fala Isaac Sidney, presidente da Febraban. 

Cerca de seis milhões de clientes que tinham dívidas bancárias de até R$ 100 foram desnegativados pelas instituições financeiras no mesmo período, disse a instituição que representa os bancos.

Últimas