Economia Bolsa de Iniciação Científica, do Auxílio Brasil, começa em dezembro

Bolsa de Iniciação Científica, do Auxílio Brasil, começa em dezembro

Benefício é para estudantes que fazem parte do programa e têm bom desempenho em competições acadêmicas e científicas

  • Economia | Do R7

Olimpíada Brasileira de Robótica é um dos eventos que fazem parte do benefício

Olimpíada Brasileira de Robótica é um dos eventos que fazem parte do benefício

Divulgação

A Bolsa de Iniciação Científica Júnior, que faz parte do Auxílio Brasil, começará a ser paga em dezembro de 2021. O benefício é para estudantes com bom desempenho em competições acadêmicas e científicas cujas famílias estão inscritas no programa. A transferência do valor será feita em 12 parcelas mensais de R$ 100 ou em parcela única de R$ 1.000.

"O Auxílio Brasil pretende ir além de uma proteção à população em situação de vulnerabilidade. Estamos apresentando ferramentas e trilhas para emancipação. A Bolsa de Iniciação Científica Júnior vai nessa direção, dando aos estudantes de famílias beneficiárias incentivo para seguirem se destacando nos estudos, em busca de um futuro melhor", afirma João Roma, ministro da Cidadania.

Cerca de 3 mil estudantes receberão a primeira de 12 parcelas no valor de R$ 100. Além disso, a família do estudante receberá a parcela única anual de R$ 1.000. De acordo com o Ministério da Cidadania, o pagamento da parcela mensal será executado pelo CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), após transferência de recursos. A parcela única anual de R$ 1.000 será paga diretamente pelo ministério.

A Bolsa de Iniciação Científica Júnior é concedida a estudantes que integram famílias beneficiárias do Auxílio Brasil e que se destacam em competições acadêmicas e científicas, de abrangência nacional, vinculadas a temas da educação básica.

De acordo com o decreto publicado nesta terça-feira (23) no Diário Oficial da União, tanto os pagamentos que começarão em 2021 quanto para os anos subsequentes serão referentes a competições credenciadas (que recebem apoio, de qualquer natureza, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações) e que foram lançadas em 2020. De acordo com o CNPq, foram 15 as olimpíadas científicas.

Competições credenciadas

IX Olimpíada Brasileira de Neurociências (OBN);
IV Olimpíada Brasileira de Cartografia: Ciência e Arte (Obrac);
Olimpíada Brasileira de Robótica 2021 (OBR);
5ª Olimpíada Nacional de Aplicativos (Onda);
Olimpíada Brasileira de Soluções Sustentáveis para Água e Energia (Obssae);
3ª Olimpíada Científica Nacional sobre Oceanos e Ambientes Polares e 3rd Hackathon for New Technologies for Marine and Polar Research;
Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM);
IPhCO — Olimpíada Internacional de Física e Cultura (fase nacional)
24ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA);
10ª Olimpíada Brasileira de Física das Escolas Públicas (Obfep);
11ª Olimpíada Brasileira de Agropecuária (Obap);
Olimpíada de Matemática dos Institutos Federais (Omif);
Olimpíada Brasileira de Informática 2021 (OBI);
Programa Nacional Olimpíadas de Química (OBQ); e
XVII Olimpíada Brasileira de Biologia (OBB).

Últimas