Economia Brasil tem a terceira maior taxa de juros no mundo

Brasil tem a terceira maior taxa de juros no mundo

Apenas Argentina, com uma taxa de 60% ao ano, e Turquia, que aplica taxa de 14% ao ano, têm juros em nível superior aos do Brasil, mostra Infinity Asset

Agência Estado - Economia
Taxa básica de juros no Brasil figura em 13,75% ao ano

Taxa básica de juros no Brasil figura em 13,75% ao ano

Freepik

O Brasil mantém a sua posição de terceiro país com a maior taxa de juros no mundo, segundo ranking global de juros nominais da Infinity Asset, em parceria com o MoneYou. Em primeiro lugar está a Argentina, com uma taxa de 60%, seguida da Turquia, que aplica taxa de 14%. O Brasil está na frente de Hungria, Chile e Colômbia.

No ranking de juros reais (taxa de juros atual, descontada a inflação projetada para os próximos 12 meses), o Brasil ocupa a primeira posição, ganhando o pódio desde a penúltima reunião do Copom (Comitê de Política Monetária). México, Hungria, Colômbia e Indonésia ocupam, respectivamente, os próximos lugares na lista.

A análise considera uma combinação de inflação projetada para os próximos 12 meses, via coleta do relatório Focus do Banco Central de 4,81%, e a taxa de juros DI a mercado dos próximos 12 meses no vencimento mais líquido (agosto de 2023).

Em qualquer cenário, seja de alta de juros de 25, 50 ou 75 pontos percentuais, o Brasil mantém a colocação em primeiro lugar. Mesmo com a queda do preço de commodities, há um aumento expressivo no número de bancos centrais que sinalizam preocupação com a inflação, aponta o documento.

"Os programas de aperto quantitativo continuam lentos, e o movimento global de políticas de aperto monetário continuou a ganhar força", contextualizam Infinity Asset e MoneYou. Entre os 167 países analisados pelo levantamento, 45,51% mantiveram os juros, 50,90% os elevaram e 3,59% os cortaram.

Veja os dez países com as maiores taxas de juros nominais

1º) Argentina: 60%.

2º) Turquia: 14%.

3º) Brasil: 13,75%.

4º) Hungria: 10,75%.

5º) Chile: 9,75%.

6º) Colômbia: 9%.

7º) Rússia: 8%.

8º) México: 7,75%.

9º) República Checa: 7%.

10º) Polônia: 6,50%.

Últimas