Economia Com crise hídrica, conta de luz deve subir 21% em 2022, prevê Aneel

Com crise hídrica, conta de luz deve subir 21% em 2022, prevê Aneel

Reajuste acumulado neste ano para o consumidor residencial chega a 7,04%; nova projeção triplica essa alta 

Agência Estado - Economia
Alta vai turbinar ainda mais a inflação e corroer a renda do cidadão

Alta vai turbinar ainda mais a inflação e corroer a renda do cidadão

ADRIANO ISHIBASHI/FRAMEPHOTO/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO - 26/08/2021

O aumento no preço da conta de luz não dará trégua ao consumidor no ano que vem. O reajuste que documentos oficiais do governo e do próprio setor elétrico preveem para 2022 é superior a 20%, uma alta que vai turbinar ainda mais a inflação e corroer a renda do cidadão.

Em documento interno da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) emitido na sexta-feira (5), o órgão regulador faz uma projeção do impacto financeiro que a atual crise hídrica terá sobre a conta de luz em todo o país, devido às medidas que foram adotadas para garantir o abastecimento de energia. A conclusão é trágica.

"Nossas estimativas apontam para um cenário de impacto tarifário médio em 2022 da ordem de 21,04%", diz o texto. Com base em dados da própria Aneel, o reajuste acumulado neste ano só para o consumidor residencial chega a 7,04%, ou seja, o aumento projetado para o ano que vem praticamente triplica a alta de 2021. Em 2020, o aumento médio foi de 3,25%.

Nos últimos meses, cada consumidor de energia tem bancado, mensalmente, o custo pesado das chamadas "bandeiras tarifárias", uma taxa extra que é incluída na conta de luz para pagar o acionamento das usinas térmicas, que são bem mais caras que as hidrelétricas. Isso tem ocorrido por causa da falta de chuvas e do esvaziamento dos principais reservatórios do país.

Uma das principais razões de fazer essa cobrança mensal do consumidor era evitar que essas contas fossem pagas depois, nos reajustes anuais, como acontecia antes. Ocorre que nem mesmo as bandeiras tarifárias têm conseguido cobrir o rombo atual.

Após analisar as projeções de geração de energia e os custos previstos – incluindo informações do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) e da CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica) –, a área técnica da agência reguladora concluiu que, até abril de 2022, as "melhores estimativas" apontam para um rombo de R$ 13 bilhões, "já descontada a previsão de arrecadação da receita da bandeira tarifária patamar escassez hídrica no período", ou seja, o nível mais alto de cobrança da taxa extra.

O acionamento de tudo quanto é usina térmica no país não é o único fator que explica o rombo financeiro do setor elétrico, que terá de ser quitado pelo cidadão. Outra fatura que será paga pelo consumidor, estimada em mais R$ 9 bilhões, tem origem nas contratações "simplificadas" de energia feitas pelo governo no mês passado. Trata-se de uma "energia de reserva" que será entregue a partir de maio do ano que vem, para garantir maior segurança e evitar o racionamento.

Os reajustes são puxados ainda pelo aumento da importação de energia, por meio de contratos firmados com Argentina e Uruguai. Como os reajustes de tarifas são feitos anualmente pela Aneel, depois de analisados os custos de cada distribuidora de energia do país, o percentual de aumento varia de estado para estado.

O aumento do preço da energia e a alta dos combustíveis e do gás de cozinha são os fatores que mais afetam a inflação no país e massacram a renda da população, porque seus impactos são disseminados em todo tipo de consumo, seja das famílias, seja de empresas.

Últimas