Economia Comissão do Orçamento começa a ser discutida até sexta, diz Pacheco

Comissão do Orçamento começa a ser discutida até sexta, diz Pacheco

Novo presidente do Senado quer dialogar com o presidente da Câmara, Arthur Lira, para definir instalação do colegiado

  • Economia | Da Agência Brasil

Pacheco diz que Congresso deve CMO ao Brasil

Pacheco diz que Congresso deve CMO ao Brasil

Joédson Alves/EFE - 01.02.2021

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou que ainda nesta semana deverá conversar com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), para começar a definir a instalação da comissão mista para aprovação do Orçamento 2021. Ele afirma que a instalação do colegiado é "algo que o Parlamento deve ao Brasil”.

Leia mais: Guedes lista prioridades e vai pedir que Orçamento seja agilizado 

“Essa semana vamos buscar as iniciativas para poder instalar a Comissão Mista do Orçamento, que é algo que o parlamento deve ao Brasil. Vamos sentar, eu e o deputado Arthur Lira, para definirmos o formato disso. O fato é que será uma comissão de existência muito rápida”, disse Pacheco. Ele afirima acreditar que a comissão deverá votar o orçamento anual até março.

É na CMO que é discutida e votada a Lei de Orçamentária Anual (LOA), ferramenta que indica a estimativa da receita e a fixação de quanto pode ser gasto, apresentando a política econômica e financeira e o programa de trabalho do governo. Até que ela seja aprovada, o governo precisa fazer um controle de gastos, sem poder repassar verbas para investimento em infraestrutura, dentre outras áreas.

Auxílio emergencial

Antes e depois de garantir a vitória na eleição da presidência do Senado, ontem (1º), Pacheco frisou a importância de prestar assistência aos mais pobres neste período de crise sanitária e econômica. Questionado sobre a possibilidade de retornar com o auxílio emergencial, ele afirmou que conversará com a equipe econômica do governo e com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

“Vamos discutir com a equipe econômica do governo para identificarmos a compatibilização da responsabilidade fiscal com a assistência social, que pode ser algum programa análogo ou pode ser um incremento do Bolsa Família. Vamos ouvir os especialistas, com os fundamentos econômicos, para encontrarmos esse caminho”.

Últimas