Economia Confiança da construção atinge menor nível desde julho de 2020

Confiança da construção atinge menor nível desde julho de 2020

Aumento do pessimismo dos empresários do setor reflete preocupação com a escassez e elevação dos custos, avalia FGV

  • Economia | Do R7

Confiança da construção está em 85 pontos

Confiança da construção está em 85 pontos

Antonio Cruz/Agência Brasil

A confiança da construção civil caiu 3,8 pontos em abril e fecha o mês aos 85 pontos, menor patamar desde julho de 2020 (83,7 pontos), segundo informações divulgadas nesta terça-feira (27), pela FGV (Fundação Getulio Vargas).

De acordo com a coordenadora de projetos da construção do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da FGV), Ana Maria Castelo, dois componentes do indicador reverteram toda melhora registrada a partir de maio de 2020.

"Houve aumento do pessimismo, mas destaca-se a deterioração da percepção dos empresários com relação à situação atual dos negócios. O cenário setorial vem piorando desde outubro, refletindo a preocupação com a escassez e, principalmente, elevação dos custos", aponta ela.

Após superar o nível pré-pandemia, o setor andou de lado, sem conseguir deslanchar. Nos primeiros meses de 2021, há uma clara inflexão da retomada do segmento. Para Maria Castelo, os problemas do setor são persistentes, atingem contratos em andamento e dificultam a precificação dos produtos. "A combinação preços de insumos mais elevados e agravamento da pandemia trouxe novamente momentos difíceis para as empresas", avaliou ela.

Em abril, o indicador que apura a evolução recente da atividade voltou ao patamar próximo ao registrado em agosto do ano passado. Com a deterioração das expectativas, a intenção de empregar também diminuiu, com 16% das empresas indicando que vão reduzir o número de empregados nos próximos meses, enquanto 12,1% apontaram intenção de contratar.

Custo da construção

Também divulgado nesta terça-feira, o INCC (Índice Nacional de Custo da Construção) aponta para uma elevação de 0,95% nos preços do setor ao longo do mês de abril. A alta ocorre em ritmo menor em relação à observada em maio, o índice oscilou 2%.

Com este resultado, o índice acumula alta de 5,03% no ano e de 12,82% em 12 meses. Em abril de 2020, o índice variou 0,18% no mês e acumulava alta de 4,02% em 12 meses. A taxa do índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços passou de 3,76% em março para 1,88% em abril. O índice referente à mão-de-obra passou de 0,28% em março para 0,01% em abril.

Últimas