Economia Dólar avança ante real após mudanças no BC da Turquia

Dólar avança ante real após mudanças no BC da Turquia

Moeda norte-americana reage à demissão do presidente do Banco Central da Turquia. Às 9h08, a moeda subia 0,55%, a R$ 5,51

Reuters
Dólar abriu em alta contra o real nesta segunda-feira (22)

Dólar abriu em alta contra o real nesta segunda-feira (22)

Yuriko Nakao/Reuters - 22.03.2021

O dólar abriu em alta contra o real nesta segunda-feira (22), refletindo o comportamento da moeda norte-americana contra outras divisas emergentes depois que o presidente da Turquia, Tayyip Erdogan, substituiu o presidente "hawkish" (define os defensores de juros mais altos e de uma política de austeridade mais forte) do banco central por um crítico da altas de juros, deixando a lira em queda livre e enviando ondas de choque pelos mercados de câmbio globais.

Leia mais: Dólar recua ante real acompanhando exterior e Brasília

Às 9:08, o dólar avançava 0,55%, a R$ 5,5142 na venda, enquanto o dólar futuro negociado na B3 subia 0,39%, a R$ 5,5155.

pós a medida de Erdogan, a moeda da Turquia chegou a cair 15% nesta segunda-feira, para perto de sua mínima recorde, em meio a temores de uma reversão das recentes altas dos juros.

"Após uma alta de 200 bps (na taxa de juros da Turquia) na última reunião (de política monetária), para 19%, o primeiro-ministro optou por uma postura agressiva e não ortodoxa, trocando o líder do BC por um nome mais alinhado com suas crenças e convicções", disse em post no Twitter Dan Kawa, CIO e sócio da TAG Investimentos.

Para ele, "o problema da Turquia é pontual e localizado" e não tem "semelhanças com outros países", mas ele disse que, no curto prazo, a forte depreciação dos ativos do país pode levar a algum contágio a outros mercados por "efeitos técnicos de redução de posições relativas e absolutas, assim como para fins de redução de risco (...)." 

O peso mexicano, par emergente do real e da lira turca, apresentava queda de quase 1% nesta manhã. Rand sul-africano, peso chileno e dólar australiano, outras moedas sensíveis a risco, perdiam entre 0,1% e 0,5% contra o dólar.

O índice da moeda norte-americana contra uma cesta de rivais fortes operava em queda de cerca de 0,25%.

Enquanto isso, no cenário doméstico, a política e a situação da pandemia de Covid-19 seguem no radar.

"Aqui, parece mesmo que o cerco ao negacionismo do presidente Jair Bolsonaro está se fechando, a cada dia", opinou em nota Ricardo Gomes da Silva, superintendente da Correparti Corretora.

A ofensiva do presidente Jair Bolsonaro contra medidas de restrição impostas por governadores e prefeitos para conter o avanço da Covid-19 gerou críticas entre os parlamentares na semana passada, que apontaram excesso e interesse eleitoral na movimentação.

Enquanto isso, vários economistas e empresários assinaram uma carta de alerta sobre a situação da pandemia no Brasil e seu agravamento, cobrando do governo aceleração do ritmo de vacinação e medidas de distanciamento social.

"Reações do Centrão rompendo a 'lua de mel' com o presidente e (...) a carta dos economistas, divulgada no fim de semana e subscrita por representantes do setor financeiro, aumentam a temperatura em Brasília, em meio à maior crise sanitária já vivida pelo país", explicou Gomes da Silva.

Na última sessão, o dólar spot registrou queda de 1,50%, a R$ 5,4839 na venda.

O Banco Centra anunciou para esta segunda-feira leilão de swap tradicional para rolagem de até 16 mil contratos com vencimento em dezembro de 2021 e abril de 2022.

Últimas